Cidades Dois a cada três assassinatos ainda ficam sem solução no Brasil; veja os estados com mais impunidade

Dois a cada três assassinatos ainda ficam sem solução no Brasil; veja os estados com mais impunidade

Levantamento do Instituto Sou da Paz mostra que o país resolve menos crimes do que a média global

  • Cidades | Do R7

Assassinatos ainda são pouco  solucionados no Brasil

Assassinatos ainda são pouco solucionados no Brasil

Pixabay

Dois de cada três assassinatos no Brasil não foram solucionados pelas autoridades, aponta o estudo Onde Mora a Impunidade 2023, elaborado pelo Instituto Sou da Paz.

De acordo com o levantamento, feito com dados solicitados via Lei de Acesso à Informação nos Tribunais de Justiça e Ministérios Públicos estaduais, apenas 24% dos homicídios dolosos de 2021, aqueles com intenção de matar, foram solucionados no ano da morte da vítima, enquanto 11% foram resolvidos no ano seguinte, totalizando 35%.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

A média nacional se manteve estável ao longo dos últimos sete anos, espaço de tempo no qual o instituto realiza o estudo. Apenas em 2018 a taxa de solução de assassinatos ultrapassou a marca dos 40%, quando chegou a 44%.

Os dados compilados de 72 países em 2019 mostram que a média global de solução de homicídios dolosos é de 63%, enquanto nas Américas o número não passa de 43%. Para o mesmo ano, o Brasil teve média de 37%.

Dados do Depen (Departamento de Informações Penitenciárias) revelam que apenas 11% dos presos no Brasil foram condenados ou são suspeitos de homicídio culposo.

Somente dois estados no país tiveram taxa de solução (de casos de homicídio culposo em 2021) considerada alta pelo estudo: Minas Gerais e Paraná, ambos com 76%.

São Paulo, por sua vez, possui uma taxa média de 47%. Já o Rio de Janeiro soluciona apenas um de cada cinco casos de homicídio culposo no estado.

As piores marcas do país foram registradas pelo Instituto Sou da Paz na Bahia e no Rio Grande do Norte, onde apenas 15% e 9% dos assassinatos, respectivamente, tiveram denúncias do Ministério Público enviadas à Justiça.

VEJA MAIS: 'Cabo de guerra' com sucuri! Animais protagonizaram flagrantes bizarros em 2023

Últimas