Economia Banco Central reduz taxa de juros pela 12ª vez seguida, a 6,50% ao ano

Banco Central reduz taxa de juros pela 12ª vez seguida, a 6,50% ao ano

Sequências de reduções começaram em setembro de 2016, quando Selic estava em 14,25% ao ano

Redução da Selic

Taxa de juros é controlada pelo Copom

Taxa de juros é controlada pelo Copom

Getty Images

O Copom (Comitê de Política Monetária), do Banco Central, decidiu reduzir a taxa básica de juros de 6,75% ao ano para 6,5% ao ano. É a 12ª queda consecutiva do indicador, que atinge seu nível mais baixo desde 1986, quando iniciou a série histórica. 

O corte da Selic mantém as expectativas do mercado, que apostava na redução de 0,25%. O mercado ainda prevê que o valor se mantenha estável até o final do ano. 

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até atingir os 6,5% agora.

Segundo o Banco Central, a redução foi possível porque o país cresce de forma "consistente', assim como a economia global, o que mostra ser um cenário favorável para economias emergentes, como é o caso do Brasil. O BC também aponta a baixa inflação com um dos motivos.

"O conjunto dos indicadores de atividade econômica mostra recuperação consistente da economia brasileira. O cenário externo tem se mostrado favorável, na medida em que a atividade econômica cresce globalmente. Isso tem contribuído até o momento para manter o apetite ao risco em relação a economias emergentes. O Comitê (Copom) julga que o cenário básico para a inflação evoluiu de forma mais benigna que o esperado nesse início de ano. O comportamento da inflação permanece favorável, com diversas medidas de inflação subjacente em níveis baixos, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária", diz o Banco Central, em nota.

A partir do levantamento semanal realizado pelo Banco Central com economistas (pesquisa Focus), o Copom projeta inflação de 3,8% em 2018 e de 4,1% em 2019. "Esse cenário supõe trajetória de juros que encerra 2018 em 6,5% e 2019 em 8,0%", diz o Copom em nota.

O que é a Selic

A Selic é conhecida como táxa básica de juros, porque a mais baixa da economia e funciona como forma de piso para os demais juros cobrados no mercado. 

Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida e isso causa reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo.