Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Bolsonaro veta bagagem gratuita em voos domésticos

Palácio do Planalto afirma que o veto se deu por razões "de interesse público e violação ao devido processo legislativo"

Economia|Do R7, com Reuters


Bolsonaro cogita edição de nova MP sobre o tema
Bolsonaro cogita edição de nova MP sobre o tema

O presidente Jair Bolsonaro decidiu vetar integralmente a franquia gratuita de bagagem para passageiros de voos domésticos. A gratuidade era um dos trechos da MP (Medida Provisória) 863/2018, que foi aprovada pelo Congresso Nacional e acaba com o limite de capital externo nas companhias aéreas brasileiras.

De acordo com o Palácio do Planalto, o veto se deu por razões "de interesse público e violação ao devido processo legislativo".

Leia mais: aviões não tem espaço para mala de mão de todos

Na sexta-feira, em café da manhã com jornalistas, o presidente chegou a cogitar em entrevista editar uma medida provisória específica para garantir a cobrança de bagagem apenas para empresas de baixo custo (low cost) que operam no país.

Publicidade

Recomendações

Assim que a MP que isentou a cobrança de bagagem passou pelo Congresso, a Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) criticou a decisão e pediu para que o presidente vetasse o trecho sobre a gratuidade das bagagens.

Publicidade

Leia também: mala de mão fora do padrão começa a ser despachada

"Ao admitir o retorno ao antigo modelo de franquia mínima de bagagem, o texto retira do consumidor a alternativa de escolher a classe tarifária mais acessível, sem despacho de malas, preferida por dois terços dos passageiros desde a sua implementação", argumentou a entidade.

Publicidade

Na avaliação da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), a inclusão da franquia de bagagem despachada deveriam "afastar o interesse de novos investidores e concentrar o mercado de transporte de passageiros no país".

Quem também recomendou o veto ao trecho foi o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Para o presidente do órgão, a medida seria prejudicial à concorrência e aos consumidores do setor aéreo nacional. "Com esse arranjo, obrigatoriamente (os consumidores) subsidiariam tarifas mais altas relacionadas aos custos dessa imposição mesmo quando não necessitarem desses serviços", analisou.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.