Economia Dólar cai na primeira sessão de dezembro e volta a valer R$ 4,21

Dólar cai na primeira sessão de dezembro e volta a valer R$ 4,21

Queda de 0,63% da moeda norte-americana ocorreu com leilões do BC, dados fracos dos EUA e taxação sobre metais brasileiros

Dólar

Dólar flertou com os R$ 4,28 na semana passada

Dólar flertou com os R$ 4,28 na semana passada

Dado Ruvic/Illustration/Reuters

O dólar fechou em queda de 0,63% ante o real no primeiro pregão de dezembro, influenciado por leilões do BC (Banco Central), dados mais fracos nos Estados Unidos e noticiário sobre taxação sobre metais brasileiros comprados pelos EUA.

Na sessão, a moeda norte-americana voltou à casa de R$ 4,21 , depois de na semana passada ter flertado com R$ 4,28, com folga deixando para trás os picos históricos anteriores.

Leia mais: Alta do dólar não deixará ceia de Natal mais cara

Na B3, o contrato de dólar de maior liquidez tinha queda de 0,59%, a R$ 4,2175. No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de moedas caía 0,43%.

No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de moedas caía 0,43%. O dólar cedia frente a várias divisas emergentes pares do real, conforme indicadores econômicos mais fracos nos EUA apoiavam cenários de juros mais baixos na economia norte-americana, o que pode aumentar a atratividade de ativos emergentes.

Comentários no mercado também apontaram que a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de retomar imediatamente tarifas norte-americanas sobre importações de aço e alumínio do Brasil e da Argentina pode ter feito preço no câmbio, já que Trump reclamou que os dois países estão promovendo forte desvalorização de suas moedas.

O entendimento é que a pressão vinda de Trump poderia enfraquecer eventual disposição e aceitação no governo a uma taxa de câmbio mais depreciada no mercado local.

Veja também: Governo diz que defenderá Brasil após EUA elevarem tarifa

Em almoço na Febraban nesta segunda, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, aproveitou para reforçar mensagem de que a autoridade monetária não atua no mercado de câmbio visando patamares específicos para o dólar.

Desde as mínimas de outubro, a moeda dos EUA acumula valorização de 5,68%. O Bradesco diz que "parte importante" da depreciação do real se deve a vetores domésticos, entre os quais os recentes indicadores de contas externas menos confortáveis.

O banco nota que o foco se volta na terça para dados do PIB (Produto Interno Bruto), com os números de atividade ganhando peso na definição dos cenários para o câmbio. "Os indicadores deverão reforçar a recuperação em curso da economia brasileira", disse o Bradesco em nota.

Mais cedo, o BC vendeu ao mercado US$ 480 milhões em moeda à vista, de oferta de até 500 milhões. A autoridade monetária também colocou 9.600 contratos de swap cambial reverso, fazendo a troca da liquidez do mercado de derivativos para o mercado à vista.

No fim da semana passada, o BC informou que manteria operações no mercado de câmbio em dezembro para que o lote de swaps cambiais a vencer em fevereiro seja integralmente rolado ou trocado por dólares à vista.