Economia Embraer busca potenciais parcerias para desenvolver aviões turboélice

Embraer busca potenciais parcerias para desenvolver aviões turboélice

Decisão visa recuperar o ímpeto da empresa após o fracasso do acordo de US$ 4 bilhões com a Boeing

Reuters
Desenvolvimento pode custar US$ 2 bilhões

Desenvolvimento pode custar US$ 2 bilhões

Divulgação/Embraer

A Embraer está em fase de negociação com potenciais parceiros para desenvolver uma nova aeronave turboélice, disse o chefe da unidade de aviação comercial da empresa, Arjan Meijer, nesta segunda-feira (23).

Em uma tentativa de recuperar o ímpeto depois do fracasso do acordo de US$ 4 bilhões com a Boeing em abril, a terceira maior fabricante de aviões do mundo também está propondo seu jato E2 como uma solução compacta para as companhias aéreas que tentam reduzir o risco durante a pandemia de covid-19.

Leia mais: Embraer sofreu 'dor' para preparar negócio com a Boeing, diz executivo

"Estamos em negociações ativas sobre parcerias (para turboélice), mas não posso entrar em mais detalhes agora", disse Meijer à Reuters. "O tipo de parceria, seja industrial ou financeira, é amplamente aberta. Estamos examinando todas as opções, ou pode ser uma combinação das duas. [...] Não estamos descartando ninguém neste momento."

Analistas dizem que tal desenvolvimento pode custar US$ 2 bilhões. Meijer disse que o projeto da Embraer seria movido de forma convencional, mas com emissões e ruído reduzidos. Mas uma decisão de lançamento se estenderia para após 2021, já que a indústria se concentra na sua recuperação.

Um alvo potencial para a parceria, de acordo com fontes da indústria, é a sueca Saab. A companhia parou de fabricar turboélices menores em 1999, mas tem laços próximos com a Embraer por meio da venda de caças JAS-39 Gripen para o Brasil.

A Saab, agora um grupo de defesa e segurança com apenas 12% das vendas a clientes civis, não fez comentários imediatos. A Coreia do Sul também está interessada em turboélices, disseram as fontes.

A Embraer já havia procurado desenvolver seu turboélice como parte de sua parceria com a Boeing. Agora, a empresa afirma que quer apenas parcerias para projetos específicos e que a unidade de aviação comercial não está à venda. "Somos uma empresa forte e temos uma boa posição de caixa, por isso estamos olhando para o futuro com muita confiança", disse Meijer.

Embora a maioria das previsões sugira uma recuperação total do tráfego em 2024-25, "para nosso segmento abaixo de 150 assentos, acreditamos que se recuperará muito mais cedo", disse Meijer. "As companhias aéreas que podem voar em aviões menores o fazem". completou.

Quando as viagens internacionais se recuperarem, as companhias aéreas que atendem aos hubs também usarão jatos menores, disse Meijer. Isso o coloca em desacordo com as companhias aéreas de baixo custo que veem os hubs como desatualizados e reduzem os preços para aumentar a ocupação de seus modelos maiores da Airbus e da Boeing.

"Acreditamos fortemente que as companhias aéreas precisarão se concentrar na lucratividade", disse Meijer. Ele também disse que a Embraer continua comprometida com o a versão menor do E2, o E175-E2, que está fora do mercado norte-americano devido às regras sindicais sobre o tamanho dos jatos usados por algumas companhias aéreas regionais.

Questionado sobre se a Embraer buscaria espaço no mercado da Airbus e da Boeing acima de 150 assentos, ele disse: "o foco da Embraer é expandir nossa liderança no segmento de até 150 assentos."

Últimas