Economia Embraer e Boeing aprovam fusão e aguardam aval do governo

Embraer e Boeing aprovam fusão e aguardam aval do governo

Posteriormente, a fusão será submetida à aprovação dos acionistas e das autoridades regulatórias

Embraer e Boeing aprovam fusão e aguardam aval do governo

Aprovação depende do governo brasileiro

Aprovação depende do governo brasileiro

Paulo Whitaker/Reuters

A Embraer anunciou nesta segunda-feira (17), que seu conselho de administração aprovou a parceria estratégica para combinação de ativos na área de aviação comercial com a Boeing.

A fabricante de aviões brasileira ressalta em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que a parceria ainda está sujeita à aprovação do governo brasileiro e, posteriormente, será submetida à aprovação dos acionistas e das autoridades regulatórias.

O conselho também já autorizou envio de notificação solicitando a aprovação prévia da União.

Justiça de SP impede venda de área comercial da Embraer para Boeing

De acordo com a parceria proposta, a Boeing deterá 80% de participação na joint venture pelo valor de US$ 4,2 bilhões (R$ 16,4 bilhões). Em julho, quando o acordo foi anunciado, o valor informado para pagamento à Embraer pela Boeing era de US$ 3,8 bilhões (R$ 14,8 bilhões) .

A joint venture foi avaliada na ocasião em US$ 4,75 bilhões. Agora, o valor anunciado pela empresa em fato relevante é de US$ 5,26 bilhões (R$ 20,6 bilhões). Pelos cálculos da Embraer, o resultado da operação, líquido de custos de separação, será de US$ 3 bilhões (R$ 11,7 bilhões).

Conforme a companhia, a expectativa é que a parceria não terá impacto no lucro por ação da Boeing em 2020, passando a ter impacto positivo nos anos seguintes. A joint venture deve gerar sinergias anuais de cerca de US$ 150 milhões (R$ 586,5 milhões)  - antes de impostos - até o terceiro ano de operação.

Após concluída a transação, a joint venture da aviação comercial será liderada por uma equipe de executivos sediada no Brasil, incluindo um presidente e CEO.

A Boeing terá o controle operacional e de gestão da nova empresa, que responderá diretamente a Dennis Muilenburg, presidente e CEO da Boeing. A Embraer terá poder de decisão para alguns temas estratégicos, como a transferência das operações do Brasil.

No comunicado, Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente e CEO da Embraer, afirma que a empresa está confiante que esta parceria será de grande valor para o Brasil e para a indústria aeroespacial brasileira como um todo.

KC-390

As companhias também chegaram a um acordo de uma segunda joint venture para promover e desenvolver novos mercados para o avião multimissão KC-390. De acordo com a parceria proposta, a Embraer deterá 51% de participação na joint venture e a Boeing, os 49% restantes.

A transação também está sujeita à aprovação do governo brasileiro, ratificação pelo conselho de administração da Embraer e autorização deste para assinatura dos documentos definitivos da transação.

Na sequência, a parceria estratégica ainda deve ser submetida à aprovação dos acionistas, das autoridades regulatórias, bem como a outras condições pertinentes à conclusão de uma transação deste tipo. Caso as aprovações ocorram no tempo previsto, a expectativa da Embraer é que a negociação seja concluída até o final de 2019.