Economia Endividamento do consumidor cai pela primeira vez em 2019, diz CNC

Endividamento do consumidor cai pela primeira vez em 2019, diz CNC

Volume de famílias brasileiras com contas atrasadas ficou em 64,7% no mês de outubro deste ano. Taxa é inferior aos 65,1% registrados em setembro

Inadimplência atingiu 24,9% em outubro deste ano, acima dos 24,5% de setembro

Inadimplência atingiu 24,9% em outubro deste ano, acima dos 24,5% de setembro

Valter Campanato/Agência Brasil

O número de famílias endividadas no país ficou em 64,7% em outubro deste ano, taxa inferior aos 65,1% de setembro.

Essa foi a primeira queda do indicador neste ano, que acumulava nove quedas consecutivas na comparação mensal.

Leia também: Confiança da Indústria recua 1,00 ponto em outubro, para 94,6 pontos, diz FGV

Os dados divulgados foram divulgados nesta terça-feira (29) pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

Na comparação com outubro de 2018, no entanto, o endividamento está em um patamar mais alto, já que naquela ocasião o percentual era 60,7%.

O percentual de inadimplentes, ou seja, de pessoas que têm contas ou dívidas em atraso, aumentou, assim como cresceu a parcela das famílias que não terão condições de pagar suas dívidas.

Leia também: Cresce a inadimplência das empresas brasileiras

A inadimplência atingiu 24,9% em outubro deste ano, acima dos 24,5% do mês anterior e dos 23,5% de outubro de 2018.

Já as famílias que não terão condições de pagar suas contas chegaram a 10,1%, acima dos 9,6% de setembro e dos 9,9% de outubro.

De acordo com o presidente da CNC, José Roberto Tadros, depois um período de crescimento forte do crédito, “os recursos extras advindos do FGTS e PIS/Pasep, somados à sazonalidade positiva no mercado de trabalho, favoreceram a redução do endividamento.

Leia também: Juro no crédito livre cai a 36,9%, diz BC; taxa do cheque especial sobe a 307,6%

O cartão de crédito figurou como o principal tipo de dívida do brasileiro, sendo apontado por 78,9% das famílias endividadas.

Em seguida, aparecem os carnês (15,5%) e o financiamento de carro (9,5%).