Economia Poupança tem maior ganho real em 6 anos, com desaceleração da inflação

Poupança tem maior ganho real em 6 anos, com desaceleração da inflação

Os ganhos reais nos últimos 12 meses encerrados em março chegaram a 3,52%, segundo levantamento da TradeMap

  • Economia | Do R7

A caderneta de poupança é a opção de investimento mais popular entre os brasileiros

A caderneta de poupança é a opção de investimento mais popular entre os brasileiros

Marcello Casal JrAgência Brasil

Com a desaceleração da inflação em março, a caderneta de poupança registrou rentabilidade real de 3,52%, nos últimos 12 meses — o melhor resultado desde dezembro de 2017. Os dados são da plataforma de investimentos TradeMap.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de março, divulgado nesta terça-feira (11), mostrou que a inflação do país fechou o mês em alta de 0,71%, contra o rendimento de 0,74% da caderneta de poupança. Com isso, quem investiu nessa modalidade conseguiu uma rentabilidade real no período.

No acumulado dos últimos 12 meses até março, a caderneta também ganhou do IPCA: a aplicação valorizou 8,33%, contra um avanço de 4,65% da inflação. Já ao considerar o ano de 2023 como um todo, o cenário muda. No período, a inflação acumulou alta de 2,09%, acima da valorização da poupança, de 2,08%. 

Segundo a TradeMap, em março, seis modalidades de investimento monitoradas pela plataforma tiveram rentabilidade superior ao IPCA, sendo que o bitcoin fechou com o melhor desempenho, em alta de 19,42%, seguido pelo ouro, com avanço de 4,28%, e pelo índice de BDRs (títulos emitidos no Brasil que representam uma ação de companhia aberta sediada no exterior), com valorização de 2,99%.

O Ibovespa, principal índice que representa investimentos na bolsa, teve o pior resultado, com recuo de 2,91%. O dólar Ptax (taxa de câmbio) apresentou queda de 2,45% em março, e o índice de dividendos teve perdas de 2,02%.

Em 2023

Considerados os primeiros três meses de 2023, cinco índices alcançaram um desempenho superior ao da inflação, ou seja, tiveram uma rentabilidade real. De acordo com a TradeMap, o melhor desempenho foi registrado pelo bitcoin, com valorização de 64,77%, seguido pelo índice de BDRs, com alta de 8,73%, e pelo ouro, com avanço de 4,97%.

O pior resultado ficou com o índice de small caps, que representa ações de companhias consideradas pequenas quando comparadas com as demais empresas na bolsa, que recuou 9,51%. O Ibovespa, com desvalorização de 7,16%, e o índice de dividendos, com perdas de 4,08%, fecham a lista das maiores quedas.

No acumulado dos últimos 12 meses até março


Nos últimos 12 meses até março, sete índices tiveram rentabilidade superior ao IPCA. Nenhum deles, no entanto, de renda variável.

A maior alta foi do CDI, com valorização de 13,29%, seguido pela do IMA Geral (que calcula o desempenho dos títulos públicos), de 10,83%, e pela do ouro, com avanço de 8,56%.

O bitcoin, com bons resultados em março e em 2023, sofreu a maior queda acumulada nos últimos 12 meses, na ordem de 30,99%, seguido pelo índice de small caps, com perdas de 27,95%, e pelo Ibovespa, com desvalorização de 15,10%.

Histórico

A caderneta de poupança tem registrado recorde de retirada nos últimos meses. O movimento ocorre em meio a um cenário de juros elevados, que reduz a competitividade da poupança frente a outros investimentos.

Com a alta da taxa básica de juros, a Selic, a aplicação tem perdido recursos. Em 2022, a caderneta fechou o ano no vermelho, com mais saques que depósitos e saldo devedor de R$ 103,23 bilhões. Foi a pior captação negativa da série histórica da aplicação. Até então, a maior perda anual da poupança, de R$ 53,6 bilhões, havia ocorrido em 2015.

Atualmente, com a taxa Selic a 13,75% ao ano, a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), hoje em 0,0828% ao mês (1% ao ano), mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17%). Quando a Selic está abaixo de 8,5%, a atualização é feita com TR mais 70% da taxa básica de juros.

*Com Agência Estado 

Últimas