Economia Prévia da inflação sobe em dezembro, mas fecha 2023 dentro da meta

Prévia da inflação sobe em dezembro, mas fecha 2023 dentro da meta

Dados do IBGE mostram que o indicador está dentro da margem de tolerância da meta, o que não acontecia havia dois anos

  • Economia | Johnny Negreiros, do R7*

Alta de 9,02% nas passagens aéreas puxou a prévia da inflação em dezembro

Alta de 9,02% nas passagens aéreas puxou a prévia da inflação em dezembro

Edu Garcia/R7 - 29.04.2023

A prévia da inflação registrou alta de 0,40% em dezembro. Com a variação, o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15) fechou o ano com acumulado de 4,72%. Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Esse patamar coloca o indicador dentro da meta perseguida pelo BC (Banco Central). O índice tem margem de tolerância que vai de 1,75% a 4,75%. Em 2021, o IPCA-15 somou 10,42%, e, em 2022, 5,9%.

Em dezembro, o grupo que mais encareceu foi o de transportes, com alta de 0,77%. Em meio à temporada das férias de fim de ano, as passagens aéreas tiveram o maior impacto em todo o índice de dezembro, com expansão de 9,02%.

"A composição do IPCA-15 de dezembro mostra um resultado mais benigno do que a surpresa dos 0,40% sugere. A inflação de serviços se mostrou um pouco mais resiliente, mesmo excluindo o impacto da alta das passagens aéreas. Já a inflação de bens industriais (-0,26%) veio abaixo do esperado, enquanto a dos núcleos do Banco Central ficou em linha com nossa previsão (0,28%)", analisa Cláudia Moreno, economista do C6 Bank.

· Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
· Compartilhe esta notícia no WhatsApp
· Compartilhe esta notícia no Telegram
· Assine a newsletter R7 em Ponto

Em relação aos combustíveis (-0,27%), houve queda nos preços do óleo diesel (-0,75%), do etanol (-0,35%) e da gasolina (-0,24%), enquanto o gás veicular (0,08%) registrou avanço.

Além disso, destacam-se os subitens: táxi, que apresentou alta de 0,83% devido ao reajuste de 6,67% em São Paulo (2,80%), a partir de 28 de outubro; ônibus urbano (1,91%), influenciado pelo reajuste de 6,12% em Salvador (5,69%), a partir de 13 de novembro; e trem, metrô, ônibus urbano e integração de transporte público, com alta de 6,67% em São Paulo, que haviam registrado queda de 6,25% em novembro, por causa da gratuidade concedida nos transportes metropolitanos nos dias do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Os outros dois segmentos que mais encareceram foram despesas pessoais (0,56%) e alimentação e bebidas (0,54%).

Contribuíram para esse resultado as altas da cebola (10,63%), da batata-inglesa (10,32%), do arroz (5,46%) e das carnes (0,65%). Por outro lado, os preços do tomate (-7,95%) e do leite longa vida (-1,91%) caíram.

Já a alimentação fora do domicílio (0,53%) acelerou em relação ao mês de novembro (0,22%). Tanto a refeição (0,46%) quanto o lanche (0,50%) tiveram variações superiores às observadas no mês anterior (0,22% e 0,35%, respectivamente).

Entenda a prévia

O IPCA-15 é considerado a prévia da inflação porque ele levanta dados do dia 16 de um mês até o dia 14 do mês seguinte. Por isso, ele é divulgado antes do IPCA, que considera a variação de preços de um mês inteiro.

* Sob a supervisão de Fabíola Glenia

Últimas