Economia Venda de veículos sobe 3,7% em julho ante mesmo mês de 2021, diz Fenabrave

Venda de veículos sobe 3,7% em julho ante mesmo mês de 2021, diz Fenabrave

Em meio a problemas de abastecimento que paralisam fabricantes, 182 mil unidades foram vendidas no mês passado

Agência Estado
Com o crédito mais caro, o resultado das vendas em julho foi considerado positivo

Com o crédito mais caro, o resultado das vendas em julho foi considerado positivo

AutoShow/Divulgação

As vendas de veículos subiram 3,7% em julho diante de igual período do ano passado, marcando o primeiro crescimento de um mês no comparativo interanual em 12 meses. Na margem — ou seja, de junho para julho —, as vendas subiram 2,2%, conforme mostra balanço divulgado nesta terça-feira (2) pela Fenabrave, a associação que representa as concessionárias.

No total, 182 mil unidades foram vendidas no mês passado, entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus. Os problemas de abastecimento que paralisam as fábricas, sobretudo pela falta de componentes eletrônicos, persistem. Porém, a reabertura do porto de Xangai, cujo fechamento provocou um caos no transporte internacional de mercadorias entre abril e maio, permitiu um fluxo menos irregular no fornecimento de componentes, levando a uma maior oferta de carros nas lojas.

O presidente da Fenabrave, José Maurício Andreta Jr., considerou o desempenho das vendas de carros em julho um "ótimo resultado", tendo em conta o crédito mais caro e seletivo. A avaliação é que, com a ampliação, desde ontem, no corte do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) — de 18,5% para 24,75% —, as vendas de carros de passeio e utilitários leves possam surpreender e fechar 2022 com alta superior a 4%, para mais de 2 milhões de unidades. A previsão oficial da Fenabrave, revisada no mês passado, segue apontando, contudo, para estagnação — ou seja, crescimento zero — do setor no ano.

"Se a produção retornar à sua normalidade, e com mais esse estímulo do governo, talvez consigamos atingir esse patamar", comentou o presidente da Fenabrave. No acumulado desde o primeiro dia do ano, as vendas de veículos mostram queda de 12%, somando 1,1 milhão de veículos vendidos entre janeiro e julho.

Só no segmento de carros de passeio e utilitários leves, as vendas, um total de 169,1 mil unidades em julho, subiram 4,1% na comparação com igual período do ano passado e 2,2% frente a junho. O resultado reduz para 12,7% a queda no acumulado de 2022.

Líder do mercado, a Fiat é a marca de 21,8% do 1 milhão de carros e utilitários leves vendidos no país desde o começo deste ano. Na sequência, aparecem General Motors (14,1%), Volkswagen (12,1%) e Toyota (10,5%).

No mercado de caminhões, as vendas, de 11,3 mil unidades no mês passado, caíram 1,3% no comparativo interanual, mas subiram 4,3% na passagem de junho para julho. Já as vendas de ônibus repetiram o volume de igual período do ano passado (alta de 0 1%). Em relação a junho, houve queda de 9,8% dos emplacamentos de coletivos, que chegaram a 1,6 mil unidades no mês passado.

Motos

As vendas de motos tiveram queda de 4,4% em julho perante o volume de igual mês do ano passado, somando 107,6 mil unidades. Na comparação com junho, a queda foi de 11%, informou a Fenabrave.

A entidade cita a baixa oferta de produtos, na esteira das férias coletivas de meio de ano nas montadoras do polo industrial de Manaus, e restrições de crédito ao explicar o resultado do mês passado. Segundo José Maurício Andreta Jr., a demanda segue aquecida, porém os bancos estão aprovando menos de 30% dos pedidos de financiamento para compra de motocicletas.

Nos sete primeiros meses do ano, 744,3 mil motos foram vendidas no Brasil, o que corresponde a uma alta de 18,2% frente a igual período de 2021. O desempenho é puxado pela expansão dos serviços de entrega (delivery) e pela demanda por veículos não só mais baratos do que os carros, como também mais econômicos, dado o aumento no preço dos combustíveis, aliviado agora pelos cortes de impostos estaduais e federais.

Líder com folga desse mercado, a Honda respondeu por 76,3% de todas as motos vendidas no Brasil entre janeiro e julho. Vice-líder, a Yamaha ficou com 16,3% do mercado.

Últimas