Educação domiciliar: regulamentação fica para 2020 

Mesmo com a promessa do texto ser votado ainda neste ano, assunto será debatido por uma Comissão parlamentar, que ainda não foi formada

Famílias buscam na Câmara a regulamentação para o homeschooling

Famílias buscam na Câmara a regulamentação para o homeschooling

Pixabay

Pais e estudantes que buscam a regulamentação do ensino domicilar terão de esperar uma definição para o ano que vem. O projeto de lei que tramita na Câmara foi encaminhado para uma Comissão Especial.

Leia mais: Entenda o homeschooling, projeto que pode ser aprovado neste ano

Os partidos devem indicar um representante para compor a comissão, para num segundo momento o texto voltar a caminhar.

Leia mais: Regulamentação do ensino domiciliar é defendida no Senado

"Sabemos que somos minoria e portanto não é uma prioridade para os deputados, por essa razão, temos de continuar lutando por essa regulamentação", avalia Ricardo Dias, presidente da Aned (Associação Nacional de Educação Domiciliar). 

Atualmente, entre 10 e 11 mil famílias buscam o direito de educar os filhos em casa. O Brasil tem aproximadamente 50 milhões de alunos matriculados na educação básica. "Somos menos de 1%, mas vamos continuar com a nossa bandeira e pressionando para ter o nosso direito garantido."

Leia mais: Saiba como é o ensino em casa, uma das propostas do governo Bolsonaro

Estados e municípios também apresentam projetos de regulamentação do ensino em casa. Em Vitória, no Espírito Santo, a Câmara aprovou neste ano um projeto de lei que autoriza o homeschooling. Foi a primeira vez que a prática foi aprovada em um município brasileiro.

Outras cidades como Cascavel (PR) e São Paulo também têm projetos semelhantes em trâmite. Estados como Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Rio de Janeiro também encaminharam projetos de lei para a regulamentação da prática do ensino domiciliar. 

Homeschooling

O homeschooling ou ensino domiciliar é uma das promessas de campanha de governo do presidente Jair Bolsonaro. Um pojeto de lei sobre o assunto, o PL 2.401/2019, foi  apresentado pelo governo em abril e encaminhado ao Congresso.

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, chegou a afirmar que o projeto seria votado até o mês de novembro, no entando, o congresso deixou para 2020.