Educação Jovem que viveu em abrigo conquista bolsa para estudar fora

Jovem que viveu em abrigo conquista bolsa para estudar fora

Yuri Costa vai estudar na Duke University vai realizar o sonho de cursar uma graduação nos Estados Unidos

Yuri irá estudar em Duke University

Yuri irá estudar em Duke University

Divulgação Crimson Education

Dois jovens mineiros conquistaram bolsa de estudos para estudar em universidades nos Estados Unidos. Kaio Kumagai, 18 anos, de Belo Horizonte e Yuri Costa, 22 anos, de Juiz de Fora, conquistaram bolsa integral no valor de R$2 milhões para os quatro anos de graduação.

Yuri nasceu na periferia em Juiz de Fora. Filho de dependente químico, aos seis anos foi com os irmãos morar em um abrigo. Acolhido pela ONG Aldeias Infantis SOS Brasil, aos 11 anos de idade, foi adotado pela primeira vez, mas a adaptação a família não deu certo e ele passou a viver em um lar temporário até completar os 18 anos.

"Na Aldeia tive a oportunidade de estudar e minha mãe social me incentivou muito", conta Yuri. Estudante de escola pública, o Instituto Federal, Yuri se destacou como um dos melhores alunos e desenvolveu o projeto CID que busca reduzir a evasão escolar através de palestras, parcerias e tutoria acadêmica.

"Eu sou o único de minha família que conseguiu se formar no ensino médio e isso tem uma importância muito grande para mim. Muitas pessoas com condições ou vivências semelhantes às minhas não conseguem, então quero apoiá-las, mostrar que elas também conseguem", diz.

A iniciativa o ajudou a ser um dos 6% de candidatos aprovados no programa global Watson Semester Accelerator, do Instituto Watson, que busca formar uma nova geração de jovens empreendedores. Em agosto de 2019, ele teve, então, a oportunidade de passar cinco semanas em Boulder, no Colorado (Estados Unidos), com todos os custos cobertos. Com o inglês que aprendeu estudando sozinho, ele pode desenvolver habilidades com aulas como estruturação de projetos, angariação de fundos, definição de proposta de negócios, manutenção de projetos saudáveis, evasão escolar e saúde mental.

Estudante brasileira ganha bolsa de R$ 2 milhões para estudar nos EUA

Yuri foi aprovado em Duke University, nos Estados Unidos, e conquistou uma bolsa para estudar políticas públicas e engenharia para aprimorar os projetos já desenvolvidos no Brasil. "As expectativas são as melhores. Vou ter acesso ao mundo que sempre sonhei. As oportunidades existem, então se agarre a todas e sonhe grande", finaliza o jovem bolsista. 

Dos torneios estudantis para admissão no exterior

Kaio irá estudar engenharia biomédica

Kaio irá estudar engenharia biomédica

Divulgação Colégio Bernoulli

Estudante do Colégio Bernoulli desde o 6º ano do Ensino Fundamental, Kaio Kumagai foi aprovado em três universidades americanas com bolsa integral por mérito. Ele optou pela Northwestern University, em Evanston (Illinois), Estados Unidos e pretende estudar Engenharia Biomédica.

Apaixonado por ciência e números desde pequeno, Kaio viu nas olimpíadas de conhecimento uma forma de conquistar a admissão em uma universidade no exterior. O jovem começou a participar das competições no 4º ano do ensino fundamental e ao longo da sua trajetória escolar já conquistou 33 medalhas olímpicas.

Bolsas permitem que atletas continuem com os estudos

Filho de comerciantes, Kaio contou com o apoio da família. "Meus pais sempre priorizaram os estudos para que eu pudesse ter melhores oportunidades no futuro", conta. "Eu apostei tudo e me dediquei ao máximo para conseguir realizar o sonho em estudar fora do país".

Kaio conta que a ideia de estudar fora do país surgiu através dos vídeos que assistia no Youtube e leitura em portais de notícias sobre jovens estudantes que conquistaram bolsas de estudos no exterior. Por meio de mentorias, o jovem também recebeu orientações para que pudesse aplicar para os vestibulares no exterior, garantindo as três aprovações internacionais.

Para o jovem bolsista, que sonha em ser desenvolvedor de uma tecnologia pioneira no mundo, a experiência deve prepará-lo melhor para a carreira profissional. "Após a conclusão da minha graduação voltarei ao Brasil, que será a minha morada e a dos meus projetos, quero ajudar na transformação e inovação tecnológica para a nossa sociedade."

*Estagiário do R7 sob supervisão de Karla Dunder

Últimas