Educação MEC lança oficialmente aplicativo para carteirinha de estudante

MEC lança oficialmente aplicativo para carteirinha de estudante

ID Estudantil pode ser baixada pelo celular gratuitamente. Estudantes precisam estar cadastrados no Seb (Sistema Educacional Brasileiro)

MEC lança oficialmente aplicativo para carteirinha de estudante

Estudantes podem baixar carteirinha por aplicativo

Estudantes podem baixar carteirinha por aplicativo

Reprodução/MEC

Conforme o R7 antecipou na última sexta-feira, o MEC (Ministério da Educação) lançou oficialmente nesta segunda-feira (25) o aplicativo para estudantes baixarem a ID Estudantil, a carteirinha do estudante gratuita do governo. Para ter acesso, é preciso que os dados dos alunos estejam cadastrados no Seb (Sistema Educacional Brasileiro).

Leia mais: MEC lança portal para a carteira estudantil digital

Os interessados que estiverem na educação básica, tecnológica ou superior podem baixar o aplicativo gratuitamente pela Apple Store e Google Play. Os estudantes podem tirar dúvidas pelo site. De acordo com o MEC, em breve, estarão disponíveis vídeos explicando o passo a passo para a instalação e uso do documento.

A ID Estudantil permitirá o pagamento de meia-entrada em shows, teatros e outros eventos culturais, sem que isso gere um custo extra. Os estudantes menores de idade terão de ter autorização dos pais para baixar o aplicativo.

Para fazer a carteirinha, o estudante deverá consentir com o compartilhamento dos dados cadastrais e pessoais com o MEC. As informações fornecidas pelos alunos vão subsidiar o Sistema Educacional Brasileiro: um banco de dados nacional de estudantes, criado e mantido pelo ministério. O MEC garante o sigilo dos dados.

MP

O presidente Jair Bolsonaro assinou a MP (Medida Provisória) da ID Estudantil em  setembro. A MP foi publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU) de 9 de setembro, data a partir da qual teve início o prazo de 90 dias para início da emissão das carteirinhas.

A medida foi lançada como uma alternativa às carteirinhas de estudantes, hoje sob a responsabilidade de entidades estudantis como a UNE, que utilizam o valor cobrado dos estudantes para manter suas atividades.