Eleições 2020 Em vídeo de campanha, Mourão pede votos para Levy Fidelix em SP

Em vídeo de campanha, Mourão pede votos para Levy Fidelix em SP

Vice-presidente da República Hamilton Mourão participa de peça da campanha à prefeitura da capital paulista de seu correligionário no PRTB

Agência Estado
Vice-presidente Hamilton Mourão grava vídeo com Levy Fidelix

Vice-presidente Hamilton Mourão grava vídeo com Levy Fidelix

Reprodução/Redes Sociais

O candidato a prefeito de São Paulo do PRTB, Levy Fidelix, divulgou nesta terça-feira (29), um vídeo de campanha para as eleições 2020 ao lado do vice-presidente da República e seu correligionário, Hamilton Mourão. O Estadão mostrou que em sua quinta tentativa de se eleger prefeito da capital, Levy apostaria suas fichas em se associar à figura do vice de Jair Bolsonaro.

Leia também: TSE lança campanha contra a divulgação de fake news

"Nós do PRTB temos um candidato, um homem certo: Levy Fidelix, um homem que sempre esteve comprometido com a direita, com as causas boas do nosso País e com boa administração de recursos públicos", diz Mourão ao lado de Levy no vídeo.

Levy considera Mourão seu principal trunfo depois de 14 eleições concorridas (e nenhuma vitória) para diferentes cargos até aqui. "Muito nos honra ter Mourão com a gente. É um dos grandes diferenciais que no passado não tínhamos em nossas candidaturas" diz Levy ao Estadão. "Temos um grande estímulo de ordem nacional, um verdadeira estadista que pensa pelo País. Será um diferencial excepcional".

O candidato do PRTB tem defendido a ideia de que é o único real representante da direita em São Paulo. No domingo, 27, em seu primeiro dia de campanha, ele se encontrou com militantes bolsonaristas e prometeu fazer o PRTB "caminhar junto" com o partido que Bolsonaro tenta criar, o Aliança Pelo Brasil.

As tentativas de Levy se eleger incluem duas candidaturas a presidente, duas a governador e tentativas de se eleger vereador e deputado federal. Em 2000, chegou a ser anunciado como vice do então pré-candidato a prefeito de São Paulo Fernando Collor, mas a chapa teve seu registro negado pela justiça eleitoral. Em 2010 derrotado na corrida presidencial, apoiou Dilma Rousseff (PT) no 2º turno. Quatro anos depois, quando apostou no discurso conservador, decidiu apoiar Aécio Neves (PSDB) contra a petista no 2º turno.

fonte: Estadão Conteudo

Últimas