Eleições 2022 TSE discute, na França, estratégias de combate à desinformação

TSE discute, na França, estratégias de combate à desinformação

Em parceria com a União Europeia (UE), o grupo debateu temas voltados à seguridade e equidade nas campanhas eleitorais 

  • Eleições 2022 | Paloma Castro*, do R7, em Brasília

Comitiva brasileira do TSE em reunião na França

Comitiva brasileira do TSE em reunião na França

Divulgação/TSE

Comitiva brasileira do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) esteve em Paris, na França, para discutir com autoridades estratégias de combate à desinformação. A reunião foi realizada em parceria com a União Europeia (UE), na última quarta-feira (6).



Formado por servidores da Assessoria Especial de Enfrentamento à Desinformação e da Secretaria de Comunicação e Multimídia do TSE, o grupo comentou sobre a seguridade e equidade nas campanhas eleitorais em rádio e televisão. Os representantes também alertaram sobre o comportamento dos perfis que espalham desinformação e buscam desacreditar instituições e o processo eleitoral, além de minar a imagem de candidatos adversários e desconfiar da imprensa.

Reunião do TSE com a Arcom e a Vigilância e Proteção contra Interferência Digital Externa

Reunião do TSE com a Arcom e a Vigilância e Proteção contra Interferência Digital Externa

Divulgação/TSE

O Chefe de Vigilância e Proteção contra Interferência Digital Externa, Marc-Antoine Brillant, afirmou que a manipulação de informações indica uma “ameaça real, séria e extremamente preocupante”. “Por isso, é fundamental que o eleitor saiba distinguir opinião de informação manipulada”, destacou.

A chefe da Autoridade Reguladora das Comunicações Audiovisuais e Digitais (Arcom), Isabelle Mariani, afirmou que há uma “grande preocupação”, em períodos eleitorais, no impedimento de discursos de ódio e violência. Segundo ela, ainda há o desafio de promover ações expressivas de combate à informação.

Isabelle explicou também que existe uma regulamentação voltada para as plataformas em que elas devem informar anualmente sobre o cumprimento das orientações expedidas pela Arcom. “Também há um trabalho sendo desenvolvido para que essas plataformas promovam ações de educação midiática e incentivem a promoção de conteúdos confiáveis”, acrescentou.

*Estagiária sob supervisão de Fausto Carneiro.

Últimas