Internacional Afeganistão: desembarca primeiro grupo de repatriados pela França

Afeganistão: desembarca primeiro grupo de repatriados pela França

No total, 41 franceses e estrangeiros que deixaram Cabul pousaram no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle

Agência EFE
Avião com 41 pessoas evacuadas aterrissou no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle

Avião com 41 pessoas evacuadas aterrissou no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle

EFE/EPA/CHRISTOPHE PETIT TESSON

O primeiro grupo de pessoas retiradas pela França de Cabul, no Afeganistão, aterrissou nesta terça-feira (17) no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle, localizado nos arredores de Paris, segundo informou o governo do país europeu.

Ao todo, são 41 evacuados, entre franceses e estrangeiros que viajaram a bordo de um avião militar, provenientes do aeroporto da capital afegã.

Leia mais: Líder talibã mulá Abdul Ghani Baradar chega ao Afeganistão

Segundo a ministra da Defesa da França, Florence Parly, que confirmou a informação à emissora local "BGMTV", a ideia é permitir o funcionamento de uma ponte aérea que durará "o tempo que seja possível".

A titular da pasta, no entanto, admitiu terem existido "obstáculos muito grandes" para a operação de resgate, devido as dificuldades de acesso ao aeroporto de Cabul, que tem arredores controlados pelos talibãs.

Leia mais: Vitória talibã estimula outros grupos extremistas internacionais

A França enviou dois aviões militares para a base que mantém nos Emirados Árabes, com o intuito de realizar a evacuação dos cidadãos que estavam no Afeganistão, de afegãos que trabalhavam para as forças armadas do país europeu e alguns estrangeiros.

Parly não deu detalhes sobre o número de afegãos que foram acolhidos pela França, cujo governo informou em comunicado que aqueles que desejarem permanecer no país serão auxiliados para fazer os trâmites do pedido de asilo.

Leia mais: Presidente alemão diz que caos afegão 'envergonha' o Ocidente

"Receberão toda a ajuda da França", indicou o Executivo liderado por Emmanuel Macron, por meio de comunicado.

Últimas