Internacional EUA acusam Assange de conspirar para hackear sistemas do governo

EUA acusam Assange de conspirar para hackear sistemas do governo

Fundador do Wikileaks estava refugiado na embaixada equatoriana no Reino Unido desde 2012 para evitar sua extradição à Suécia

  • Internacional | Da EFE

Assange foi preso nesta quinta-feira (11)

Assange foi preso nesta quinta-feira (11)

Hannah McKay/Reuters - 11.4.2019

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos revelou nesta quinta-feira as acusações apresentados contra o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que foi detido poucas horas antes na Embaixada do Equador em Londres a pedido de Washington, que o acusa de "conspiração para se infiltrar" em sistemas de informática do Governo.

"Julian P. Assange, de 47 anos e fundador do 'WikiLeaks', foi detido hoje conforme o acordo de extradição entre EUA e Reino Unido, devido a seu envolvimento em uma acusação federal por conspiração para se infiltrar em computadores, ao concordar em quebrar a senha de um computador do Governo com informação classificada", detalhou o Departamento de Justiça em comunicado.

A detenção do fundador do site WikiLeaks responde a este pedido de extradição dos Estados Unidos, assim como ao fato de o ativista ter violado as condições de liberdade condicional no Reino Unido em 2012, informou a Scotland Yard, a Polícia Metropolitana de Londres (Met).

Assange estava refugiado desde 2012

Assange foi detido hoje no interior da embaixada do Equador em Londres, onde estava refugiado, depois que o governo do país sul-americano decidiu cassar o asilo político que havia concedido ao jornalista australiano.

"O fundador do WikiLeaks está detido em nome das autoridades dos Estados Unidos e em virtude da Seção 73 da Lei de Extradição. (Ele) está em custódia policial e vai depor à Corte de Magistrados de Westminster (Londres) o mais rápido possível", afirmou um porta-voz da Met.

A advogada de Assange, Jennifer Robinson, disse que as autoridades dos EUA tinham emitido em dezembro de 2017 uma ordem de detenção contra o jornalista por conspirar com Chelsea Manning, a soldado americana que vazou documentos diplomáticos confidenciais de Washington.

Assange, 47, se refugiou na embaixada equatoriana em 2012 para evitar sua extradição à Suécia, que então solicitava sua entrega por supostos crimes sexuais.

O WikiLeaks, por sua vez, confirmou que o Equador deu por encerrado o asilo político que tinha concedido a Assange, uma decisão que classificou de "ilegal" e de "violação do direito internacional".

Em comunicado, a polícia britânica informou que o jornalista foi preso em virtude de uma ordem de detenção emitida pela Corte de Magistrados de Westminster em 29 de junho de 2012, quando Assange decidiu não se apresentar à Justiça britânica devido à solicitação de extradição da Suécia.

Após a detenção, o jornalista foi levado para uma delegacia no centro de Londres, e foi informado pelas forças da ordem que sua detenção também responde a um pedido de extradição dos EUA.

Os agentes entraram na embaixada depois que receberam autorização da mesma e uma vez que o governo equatoriano decidiu revogar o asilo concedido a Assange.

Na semana passada, o WikiLeaks tinha informado que o jornalista australiano seria expulso em questão de "horas ou dias" da embaixada do Equador.

Assange estava refugiado na embaixada desde 2012 para evitar sua extradição à Suécia, que então solicitava sua entrega por supostos crimes sexuais.

Seu pedido de asilo ao Equador aconteceu ao término de um longo processo de extradição à Suécia nos tribunais britânicos e deu início a um caso de difícil solução, pois o Reino Unido se negou reiteradamente a oferecer um salvo-conduto que permitiria que Assange pudesse viajar para o país latino-americano.

Do vazamento de dados à prisão em Londres: veja fotos de Assange

Últimas