Internacional Ex-presidente do Banco do Vaticano é condenado a 9 anos de prisão

Ex-presidente do Banco do Vaticano é condenado a 9 anos de prisão

Angelo Caloia, diretor da entidade de 1999 a 2009, foi considerado culpado de desvio de recursos e lavagem de dinheiro

Angelo Caloia (e) durante seu julgamento no Vaticano

Angelo Caloia (e) durante seu julgamento no Vaticano

Osservatore Romano via Reuters - Arquivo

O ex-presidente do Banco do Vaticano, Angelo Caloia, foi condenado nesta quinta-feira (21) a 8 anos e 11 meses de prisão após ser considerado culpado de crimes de desvio de recursos e lavagem de dinheiro, por um tribunal do Vaticano.

Leia também: Ex-tesoureiro do Vaticano é preso e aguarda sentença por pedofilia

Caloia, de 81 anos, foi chefe da entidade, conhecida oficialmente como Instituto de Obras de Religião (IOR_ entre 1999 e 2009. Com a sentença desta quinta, ele se tornou o funcionário de cargo mais alto no Vaticano a ser condenado por um crime financeiro.

Além dele, também foram condenados os advogados italianos Gabriele Liuzzo, 97, e seu filho Lamberto Liuzzo. Os dois atuavam como consultores do banco.

Os três homens foram acusados de participar de um esquema em que desviavam recursos enquanto administraram as vendas de imóveis na Itália que pertenciam ao banco entre 2001 e 2008. Eles teriam desviado dezenas de milhões de euros declarando valores muito menores do que os que tinham sido obtidos nas negociações.

Gabriele Liuzzo recebeu a mesma sentença que Caloia, enquanto Lamberto foi condenado a uma pena menor, de 5 anos e 2 meses de prisão, por ter agido de forma imprópria.

Últimas