Internacional Grande crescimento de fungos deixa navio de cruzeiro encalhado por oito dias na costa da Austrália

Grande crescimento de fungos deixa navio de cruzeiro encalhado por oito dias na costa da Austrália

Vários passageiros foram impedidos de desembarcar em portos australianos e da Nova Zelândia devido ao risco da embarcação espalhar os organismos marinhos

Reuters - Internacional

Resumindo a Notícia

  • Quando navio chegou a Wellington, capitão anunciou que um 'crescimento marinho' no casco
  • Navio não teve permissão para parar em nenhum porto da Ilha Sul da Nova Zelândia
  • Embarcação também não conseguiu atracar na Austrália
  • Passageiros foram reembolsados com o valor da viagem
Cruzeiro 'Viking Orion' fica encalhado por oito dias devido a um  grande crescimento de fungos

Cruzeiro 'Viking Orion' fica encalhado por oito dias devido a um grande crescimento de fungos

Reuters

Um grande crescimento de fungos no casco do navio de cruzeiro "Viking Orion" fez com que a embarcação ficasse encalhada por oito dias na costa da Austrália com vários passageiros.

Desde a infância, a advogada Julie Reby Waas, de Miami, uma das viajantes do navio, sempre quis visitar a Nova Zelândia e a Austrália.

Como a pandemia de Covid-19 havia se dissipado e o 15º aniversário de casamento dela e do marido se aproximava, eles marcaram um cruzeiro pela região que coincidiria com a data.

"O último cruzeiro que fiz foi em 2019… então este seria o nosso cruzeiro da lista de desejos", disse Waas, que já fez "muitos" cruzeiros ao redor do mundo.

Então eles voaram para Auckland, na Nova Zelândia, embarcaram no Viking Orion e partiram em seu cruzeiro de 15 dias. No momento em que chegaram a Wellington, o capitão do navio anunciou que um "crescimento marinho" havia sido encontrado no casco do navio durante uma inspeção e eles não teriam permissão para parar em nenhum porto da Ilha Sul da Nova Zelândia.

Entretanto, eles ainda tiveram permissão para parar na capital Wellington por um dia. O navio, que supostamente pode transportar até 1.000 passageiros, seguiu diretamente para a cidade de Adelaide, no sul da Austrália, onde uma empresa local foi contratada para limpar o casco. Mas outras questões e regulamentos logísticos atrasaram o processo e eles não tiveram permissão para atracar.

“Pensávamos era que um problema da Nova Zelândia. Mas, aparentemente, também era um problema da Austrália, porque não tínhamos permissão para entrar em Adelaide, e o navio teve que ser limpo fora das águas australianas”, disse Waas.

De acordo com um comunicado divulgado pela Australian Fisheries Management Authority, o navio foi obrigado a "remover a bioincrustação e impedir que organismos marinhos potencialmente prejudiciais fossem transportados pela embarcação".

Como o processo de limpeza demorou mais do que o esperado, o navio foi forçado a seguir para Melbourne, disse Waas. Ela descreveu a experiência de ficar presa no mar por oito dias e forçada a pular as paradas programadas, especialmente na Tasmânia, como “extremamente decepcionante”, mas elogiou a tripulação do navio por seu trabalho árduo "sem escalas".

Waas passou os oito dias no mar como pôde - fazendo longas caminhadas pelos corredores e conveses do navio e visitando a academia. Ela e o marido "jantaram" em sua refeição de aniversário – não em terra como planejado, mas no mar.

“Acho que a maioria das pessoas no navio manteve a calma e manteve o senso de humor. Acho que todo mundo está muito cansado disso. O navio é lindo, mas você sabe, há muito espaço para explorar, então acho que (é) claustrofóbico em alguns aspectos”, disse ela.

Waas disse nesta terça-feira (3) que ela e os outros passageiros foram informados pela "Viking Orion" de que receberiam um voucher, no valor total da passagem desta viagem, que poderá ser usado em futuros cruzeiros. 

Apesar do encalhe, ela promete voltar ao mar aberto novamente em outro navio de cruzeiro. “Nunca sonhei que isso aconteceria!... Sim, com certeza farei um cruzeiro novamente, não tenho medo, adoro fazer cruzeiros”, disse Waas, que agora está a caminho do destino final do navio, a cidade de Sydney, onde finalmente poderão desembarcar, um dia antes de ela e o marido voltarem para Miami.

O Viking Orion não está sozinho em sua situação, já que outro navio de cruzeiro, o Coral Princess, foi forçado a pular vários portos da Nova Zelândia devido a uma infestação de caracóis em dezembro.

Luxo e imponência: conheça o maior navio de cruzeiro na costa do Brasil no verão 2022/2023

Últimas