Macron pede ação rápida de ajuda ao Líbano em reunião com doadores

Presidente da França, que visitou Beirute pessoalmente, convocou conferência virtual e disse que ONU deve liderar esforços da recuperação libanesa

Emmanuel Macron em visita a Beirute logo após a megaexplosão

Emmanuel Macron em visita a Beirute logo após a megaexplosão

Thibault Camus/Pool via REUTERS / 6.8.2020

É preciso agir rápido para ajudar o Líbano, afirmou o presidente da França, Emmanuel Macron, que recebe, neste domingo (9), líderes de vários países para uma conferência virtual sobre a ajuda humanitária e financeira ao país, afundado numa grave crise econômica e política que se aprofunda dramaticamente com a megaexplosão que destruiu a região portuária da capital, Beirute.

“Nossa tarefa hoje é agir com rapidez e eficiência, coordenar nossa ajuda no terreno para que essa ajuda chegue o mais rápido possível ao povo libanês”, disse Macron via vídeo-link de sua residência de verão na Riviera Francesa. O presidente francês visitou Beirute dois dias após a explosão.

Em comentários de abertura para uma conferência de doadores online que ele co-organizou, Macron disse que a resposta internacional deveria ser coordenada pelas Nações Unidas no Líbano. O líder francês reforçou que as potências mundiais têm o dever de apoiar o povo libanês.

A economia do Líbano carregada de dívidas já estava atolada em crise e se recuperando da pandemia do coronavírus antes da explosão do porto, que matou 158 pessoas. Mas os governos estrangeiros têm receio de passar cheques em branco a um governo considerado por seu próprio povo como profundamente corrupto.