Internacional Mulheres sauditas sonham em fugir de 'escravidão' de homens

Mulheres sauditas sonham em fugir de 'escravidão' de homens

No reino saudita, o sistema de tutela garante que os homens controlem se a mulher poderá se casar, estudar ou viajar para o exterior

Mulheres sauditas sonham em fugir de 'escravidão' de homens

Rahaf está sob proteção da Acnur e se recusa a voltar para casa

Rahaf está sob proteção da Acnur e se recusa a voltar para casa

Reprosução/ Twitter/ @rahaf84427714

Fugir da Arábia Saudita é o sonho de muitas mulheres que veem no exílio o único modo de se livrarem do regime da tutela dos homens, que as "escravizam", uma realidade que ganhou repercussão mundial com a história da jovem Rahaf Mohammed Al Qanun, que conseguiu fugir para a Tailândia.

Uma das amigas de Rahaf, identificada como Nura, contou à Agência Efe que "muitas mulheres querem emigrar", como ela mesma fez há alguns meses.

As meninas "fogem de suas famílias porque estão submetidas a uma perseguição e a leis" que permitem esse tratamento, disse Nura, em entrevista pela internet, de um país que não quis revelar.

O caso de Rahaf

O caso da saudita Rahaf, de 18 anos, ficou conhecido quando ela pediu ajuda nas redes sociais para evitar ser deportada ao Kuwait, onde era esperada pela família, que a ameaçou de morte depois que a jovem fugiu após recusar um casamento arranjado.

Ela foi retida pelas autoridades tailandesas durante uma escala em Bangcoc, na Tailândia, quando pretendia viajar para a Austrália, país no qual queria pedir asilo político.

Por fim, ficou sob a proteção do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) e conseguiu deixar o aeroporto de Bangcoc, onde se trancou no quarto de um hotel.

Inspiração para outras mulheres

Os exemplos de Rahaf e Nura servem como inspiração para outras mulheres sauditas que querem se livrar da lei de tutela do homem, que dita que toda mulher deve estar sob a guarda de um homem, normalmente um pai ou marido, embora em alguns casos seja um irmão ou, até mesmo, um filho.

As guardas têm o poder de tomar uma série de decisões cruciais em nome da mulher, como permitir que se case, ou tão triviais como autorizar uma viagem ao exterior. Isso significa que a vida de uma mulher na Arábia Saudita é controlada por um homem desde que nasce até a morte.

A jovem Ranvania, como pediu para ser identificada, comentou à Efe que "a ideia de pedir asilo é um sonho" que sempre teve para se livrar, por exemplo, do niqab, a peça de roupa preta que só deixa os olhos descobertos e que a família a obriga a usar, mas que tem medo de seguir os passos de Rahaf.

No país, as mulheres precisam usar o niqab

No país, as mulheres precisam usar o niqab

Khaled Elfiqi/EFE - 6.2.2005

"O que me impede é que tenho três irmãs. Tenho medo de deixá-las para trás e sair. Se fugirem comigo, é um risco. Se eu escapo sem elas, não vou viver a liberdade porque elas continuarão sendo escravas. Sei muito bem que, se eu pedir asilo, elas pagarão o preço", afirmou.

Ranvania tem uma certeza: as irmãs seriam perseguidas "até a morte": "Escolho morrer escrava com elas", declarou.

Sonho de ser livre

Para outra mulher saudita identificada como Nura, de 21 anos e residente em Riad, o caso de Rahaf é como "o de muitas" na Arábia Saudita, cujo "sonho é o de ser livre".

"Infelizmente, somos escravas" dos homens, explicou, ao pedir "a abolição" do sistema de tutela. Essa reivindicação é exige há anos no reino e se repete nas redes sociais com a hashtag StopEnslavingSaudiWomen ("Parem de escravizar as mulheres sauditas", em inglês).

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) documentou durante anos outros casos de mulheres que tentaram fugir das suas famílias e que, em algumas ocasiões, foram forçadas a retornar à Arábia Saudita, como ocorreu em abril de 2017 com Dina Ali Lasloom, que foi obrigada a voltar quando estava em viagem nas Filipinas rumo à Austrália.

"Lasloom foi retirada à força do avião, retida e depois forçada a retornar à Arábia Saudita" depois que "dois dos seus tios chegaram às Filipinas para buscá-la", lembrou Rothna Begum, investigadora dos direitos das mulheres no Oriente Médio e no Norte da África para a HRW.

- Acompanhe o noticiário internacional no R7 -

Begum comentou que há "poucos" casos de mulheres que puderam "escapar" da Arábia Saudita e que o número não pode ser determinado porque muitas não divulgam seus feitos.

As que tentam escapar viajam para outro país com o seu tutor, pois necessitam uma permissão do homem para viajarem ao exterior, e outras usam diferentes meios como "viajar ao exterior para estudar" e depois pedem o asilo.

Sobre o futuro de Rahaf caso retorne ao país de origem, Ali Adubisi, diretor da Organização Europeia-Saudita para os Direitos Humanos, explicou que ela pode ser acusada de "divulgar rumores contra a reputação do país" ou "desobediência aos pais", entre outras acusações.

No entanto, Ranvani e Nura não têm dúvidas que, caso Rahaf volte à Arábia Saudita, sua família poderá até matá-la.