Internacional ONU pede união para defender direitos humanos no Afeganistão

ONU pede união para defender direitos humanos no Afeganistão

Secretário-geral, Antonio Guterres, falou durante reunião de emergência do Conselho de Segurança sobre a situação no país

Agência EFE
O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres

TIMOTHY A. CLARY / AFP

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu nesta segunda-feira (16), diante do Conselho de Segurança, que a comunidade internacional se una para preservar o respeito aos direitos humanos no Afeganistão e evitar que o país volte a se tornar um refúgio para o terrorismo.

Leia também: Conheça o Talibã, grupo radical que está no controle do Afeganistão

"Temos de falar com uma só voz para defender os direitos humanos no Afeganistão", disse Guterres no início de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança para abordar a situação após Cabul ter sido tomada pelos talibãs.

O chefe da entidade, que no domingo expressou "sérias preocupações" sobre os direitos das mulheres e meninas no Afeganistão, disse ter recebido "relatórios arrepiantes de severas restrições aos direitos humanos em todo o país".

"Estou particularmente preocupado com relatos de crescentes violações dos direitos humanos contra mulheres e meninas no Afeganistão que temem um regresso aos dias mais sombrios", disse o diplomata português aos membros do Conselho de Segurança.

Guterres, que pediu aos talibãs e a todas as partes envolvidas no conflito respeito e proteção das leis humanitárias internacionais e dos direitos e liberdades de todos os cidadãos, também recorreu à comunidade internacional para impedir que o terrorismo se enraíze novamente em solo afegão.

Leia também: Filho de fundador do Talibã comandou tomada do Afeganistão

"A comunidade internacional deve se unir para assegurar que o Afeganistão nunca mais seja utilizado como plataforma ou porto seguro para organizações terroristas", afirmou.

Em discurso no início da reunião, Guterres informou os Estados-membros que, "de um modo geral", o pessoal da ONU presente no país e as suas instalações "têm sido respeitados".

"Continuamos a exigir que os talibãs respeitem a integridade dessas instalações e a inviolabilidade dos diplomatas enviados" e das suas missões, disse Guterres, que destacou o papel das organizações humanitárias na prestação de serviços básicos aos afegãos mais necessitados.

Leia também: Trump pede renúncia de Biden após Talibã dominar o Afeganistão

"A crise humanitária no Afeganistão afeta 18 milhões de pessoas, quase metade da população. A presença das Nações Unidas irá adaptar à situação de segurança. Mas, acima de tudo, vamos ficar e apoiar o povo afegão", frisou.

A reunião desta segunda-feira ocorre um dia após o presidente afegão, Ashraf Ghani, fugir do país, precipitando a tomada do poder pelos talibãs em Cabul e acelerando os planos de evacuação das equipes diplomáticas estrangeiras.

O colapso do Afeganistão ocorreu pouco depois de as forças dos EUA e da Otan terem iniciado a fase final da retirada das suas tropas em maio, entregando todas as suas bases militares aos afegãos.

Últimas