Internacional Peso argentino desaba após derrota de Macri nas eleições primárias

Peso argentino desaba após derrota de Macri nas eleições primárias

O Banco de la Nación informou que a moeda argentina sofreu uma desvalorização de 24% um dia após a derrota do atual presidente 

Peso argentino desaba após derrota de Macri nas eleições primárias

Macri ficou 15 pontos atrás do adversário, Fernández

Macri ficou 15 pontos atrás do adversário, Fernández

Juan Ignacio Roncoroni/EFE - 11.8.2019

O valor do peso argentino em relação ao dólar despencou na abertura dos mercados nesta segunda-feira (12), um dia após a derrota do presidente Mauricio Macri nas eleições primárias, vencidas por Alberto Fernández.

Segundo dados do estatal Banco de la Nación, o dólar começou o dia cotado a 61 pesos, uma alta de 32% a respeito do fechamento de sexta-feira (46,20 pesos), causando uma desvalorização de 24% na moeda local.

Após reconhecer a derrota nas primárias, o que complica as chances de reeleição nas gerais de 27 de outubro, Macri — que ficou 15 pontos percentuais abaixo do principal adversário, Alberto Fernández — alertou para o efeito que uma derrota eleitoral teria no âmbito financeiro, ao considerar que os investidores apostavam em sua vitória.

Na sexta-feira passada, o índice Merval, das principais ações cotadas na Bolsa de Comércio de Buenos Aires, fechou em forte alta de 7,94%.

Em meio à incerteza, a presidência adiantou formalmente, através de mensagem enviada à imprensa, que o gabinete nacional, liderado por Macri, se reunirá às 15h30 (horário de Brasília) na Casa Rosada, sede do governo em Buenos Aires.

O Poder Executivo, que normalmente se reúne pela manhã, espera o fechamento de mercados para fazer um balanço. Vários funcionários da equipe econômica, entre eles o presidente do Banco Central, Guido Sandleris, chegaram à Casa Rosada ao longo da manhã.

De acordo com os resultados da primeira apuração oficial das eleições primárias (98,67% das urnas apuradas), a coalizão Frente de Todos, liderada pelo peronista Alberto Fernández, obteve 47,65% dos votos, contra 32,08% da aliança Juntos pela Mudança, de Macri.

"(Os mercados) perceberam que foram enganados. O presidente deveria estar passando tranquilidade, e os mercados estão preocupados porque admitem que o governo se meteu em um lugar onde agora não pode dar resposta", declarou Fernández à Radio 10 na manhã desta segunda-feira.