Internacional Portugal: Mulheres protestam por igualdade e fim da violência

Portugal: Mulheres protestam por igualdade e fim da violência

Primeiro-ministro, António Costa, participou das manifestações depois de se reunir com 18 mulheres em posição de liderança pela manhça

Mulheres tomaram as ruas para protestar

Mulheres tomaram as ruas para protestar

EFE/ Antonio Pedro Santos 08.03.2019

Milhares de pessoas saíram às ruas das principais cidades de Portugal nesta sexta-feira (08), Dia Internacional da Mulher, para pedirem igualdade de gênero e repudiarem a violência contra as mulheres.

As manifestações foram realizadas do norte ao sul do país nas cidades de Lisboa, Porto, Coimbra, Braga, Aveiro, Amarante, Chaves, Covilhã, Fundão, Vila Real, Viseu e Ponta Delgada.

Em Lisboa, a manifestação contou com a participação do primeiro-ministro de Portugal, António Costa, que durante a manhã se reuniu com 18 mulheres que ocupam posições de liderança no país.

Costa garantiu que para cumprir as metas feministas o governo lusitano estabeleceu três objetivos: erradicar a violência machista, favorecer a conciliação trabalhista e familiar e combater a desigualdade salarial entre homens e mulheres.

Durante a passeata em Lisboa, que começou à tarde, Costa ressaltou que a sociedade portuguesa "grita que não aceita a realidade da desigualdade de gênero".

O primeiro-ministro português comentou à imprensa que "há muito a ser feito" no combate à violência de gênero, por isso é "necessária a mobilização coletiva para lutar pela igualdade".

O movimento Rede 8 de Março foi a entidade que convocou os protestos. As mulheres portuguesas também foram convocadas a fazer uma greve no trabalho, nos estudos e nas atividades domésticas. O objetivo, segundo a plataforma, é demonstrar que se a mulher parar, Portugal também para.

A Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres lembrou que as mulheres portuguesas recebem um salário 15,8% menor que os homens no país.

Últimas