Internacional Príncipe Andrew vai se afastar de obrigações da realeza

Príncipe Andrew vai se afastar de obrigações da realeza

Duque de York era amigo pessoal de Jeffrey Epstein, magnata americano acusado de tráfico sexual de menores, que se suicidou na cadeia em agosto

Príncipe Andrew vai se afastar de compromissos reais

Príncipe Andrew vai se afastar de compromissos reais

Toby Melville/Reuters - 20.6.2019

O príncipe Andrew, segundo filho da rainha Elizabeth II, vai se afastar das obrigações da realeza “por um futuro próximo” depois das polêmicas o envolvendo no caso de Jeffrey Epstein.

O duque de York era amigo pessoal do magnata americano, acusado de tráfico sexual de menores, que se suicidou em agosto na prisão.

A amizade dos dois acabou se tornando uma “grande perturbação” para a Família Real, e os problemas de Andrew pioraram depois de uma entrevista concedida à BBC.

Ele alega não conhecer a mulher que diz que teve relações sexuais com ele a mando de Epstein. Apesar da negação do príncipe, existem fotos que confirmam que ele a conhecia e que eles estiveram juntos quando ela tinha 17 anos.

Na entrevista ele também não conseguia chamar o amigo de predador sexual, e disse estar “sendo educado” ao se referir a Epstein.

Os dois se conheceram no começo dos anos 90 e encerraram a amizade depois da prisão da primeira prisão de Epstein, quando ele foi condenado por tráfico sexual.
A polêmica envolvendo Andrew fez com que ele perdesse patrocínios e gerou críticas da mídia e na internet.

Pelo Twitter, o príncipe Andrew divulgou o comunicado oficial informando que dará um tempo em seus compromissos reais e diz se arrepender de sua amizade com Epstein.

“Ficou claro para mim nos últimos dias que as circunstâncias envolvendo a minha associação com Jeffrey Epstein se tornaram uma grande perturbação para o trabalho da minha família e o valioso trabalho de várias organizações e caridades que eu tenho orgulho de ajudar.

Assim sendo, eu pedi para Vossa Majestade se eu podia me afastar dos meus compromissos reais por um futuro próximo, e ela me deu sua permissão.

Eu continuo a inequivocamente me arrepender da minha má julgada relação com Jeffrey Epstein. Seu suicídio deixou muitas perguntas sem respostas, particularmente de suas vítimas, e eu simpatizo profundamente com todo mundo que foi afetado e quer alguma forma de conclusão. Eu só posso esperar que, em tempo, eles consigam reconstruir suas vidas. Claro, eu estou disposto a ajudar qualquer órgão da justiça com suas investigações, se solicitado”.