Internacional Rússia se despede de Gorbachev em cerimônia discreta e sem Putin

Rússia se despede de Gorbachev em cerimônia discreta e sem Putin

Estadista impulsionou reformas democráticas e econômicas no país, que resultaram no fim da União Soviética e da Guerra Fria

  • Internacional | Do R7, com informações da AFP

Caixão do líder do movimento que pôs fim à União Soviética estava ladeado por dois soldados

Caixão do líder do movimento que pôs fim à União Soviética estava ladeado por dois soldados

Alexander Nemenov/AFP - 3.9.2022

Centenas de russos deram seu último adeus, neste sábado (3), a Mikhail Gorbachev, o último líder da União Soviética, em uma cerimônia sem brilho e sem a presença do presidente Vladimir Putin. Gorbachev, uma figura-chave da segunda metade do século 20, morreu, na terça-feira (30), aos 91 anos, de uma "doença longa e grave".

Durante seu mandato, de 1985 a 1991, Gorbachev impulsionou reformas democráticas e econômicas para tentar salvar a União Soviética, encerrando assim a Guerra Fria. Mas o processo histórico iniciado por ele acelerou o desmembramento do país, que durante décadas disputou a o pioneirismo mundial com os Estados Unidos.

Esse legado de Gorbachev ainda merece a apreciação dos países ocidentais, que o veem como um homem de paz. Muitos russos, por outro lado, atribuem a ele o recuo geopolítico de Moscou e o colapso econômico e moral da Rússia nos anos após o desaparecimento da URSS.

Confirmando esse descontentamento, o governo russo não decretou nenhum dia oficial de luto. E, acima de tudo, a cerimônia ocorreu na ausência de Vladimir Putin, o que o Kremlin atribuiu a problemas de agendamento.

Centenas de pessoas fizeram fila, no entanto, diante da Casa dos Sindicatos, um local simbólico em Moscou onde os restos mortais de vários ícones do período socialista foram velados, incluindo os de Josef Stalin, em 1953, para dar seu último adeus a Gorbachev.

No interior, um grande retrato do falecido ex-líder podia ser visto ao lado de seu caixão aberto. De um lado estava Irina, filha de Gorbachev, junto com outros parentes.

Ao lado do caixão, estavam dois guardas uniformizados enquanto os visitantes colocavam flores e se curvavam em respeito.

O ex-líder será sepultado no cemitério Novodievichi, junto com sua esposa, Raísa, falecida em 1999.

Viktor Orban

Em meio a uma crise aberta entre Moscou e o Ocidente devido ao conflito na Ucrânia, nenhum grande líder mundial esteve presente à cerimônia.

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, nacionalista próximo ao Kremlin, foi o único líder estrangeiro cuja chegada foi anunciada no sábado. De acordo com a Presidência russa, nenhum encontro entre ele e Putin está planejado.

O presidente russo também não ignorou totalmente a morte. Na quinta-feira, ele visitou o hospital onde Gorbachev morreu e foi mostrado na televisão curvando-se perante o caixão, no qual colocou flores.

Na quarta-feira, o atual homem forte da Rússia prestou uma homenagem a Gorbachev com implicações mínimas, dizendo que ele era "um estadista que teve grande impacto na evolução da história mundial" e se esforçou para encontrar "suas próprias soluções para problemas urgentes".

A relação entre Putin e Gorbachev oscilou entre momentos de estima e reprovação, antes de dar lugar a uma cordial indiferença mútua.

As capitais ocidentais, por sua vez, lembraram com carinho a figura de Gorbachev, por ter promovido a reaproximação Leste-Oeste e a redução dos arsenais nucleares, o que lhe rendeu o Prêmio Nobel da Paz em 1990.

O presidente dos EUA, Joe Biden, chamou Gorbachev de "um líder excepcional, com imaginação para ver que um futuro diferente era possível e coragem de arriscar sua carreira para alcançá-lo".

A Alemanha, cuja reunificação foi possibilitada pela queda do Muro de Berlim no meio da era Gorbachev, anunciou que as bandeiras de Berlim seriam abaixadas a meio mastro no sábado.

Na Rússia, por outro lado, Gorbachev é frequentemente descrito como o coveiro da grande potência soviética, que teve um fim humilhante.

O primeiro presidente pós-soviético da Rússia, Boris Yeltsin, que liderou o país na dolorosa transição para uma economia de mercado, teve um funeral nacional em 2007.

Essas cerimônias contaram com a presença de Gorbachev e Putin, que havia sido designado por Yeltsin como seu sucessor.

Últimas