Internacional Seis pessoas morrem em explosão em restaurante na capital da Somália

Seis pessoas morrem em explosão em restaurante na capital da Somália

Grupo islâmico da Somália Al Shabaab reivindicou a responsabilidade pelo atentado; outras 7 pessoas ficaram feridas

Mogadíscio, capital da Somália, palco do atentado

Mogadíscio, capital da Somália, palco do atentado

Flipar

Seis pessoas morreram nesta sexta-feira (22) devido uma explosão em um restaurante à beira-mar na capital da Somália, Mogadíscio.

"Até agora carregamos seis civis mortos e sete feridos", disse Abdikadir Abdirahman, diretor do Serviço de Ambulâncias Aamin, à Reuters.

O grupo islâmico Al Shabaab reivindicou a responsabilidade pela explosão, com o porta-voz de suas operações militares, Abdiasis Abu Musab, dizendo à Reuters que eles tinham como alvo "oficiais de segurança e políticos do governo ".

O Al Shabaab frequentemente realiza bombardeios em Mogadíscio e em outros lugares como parte de sua guerra contra o governo central do país do Chifre da África.

O grupo luta há anos para derrubar o governo central e estabelecer seu próprio governo baseado em sua interpretação estrita da lei islâmica da sharia - um conjunto de normas derivado de orientações do Corão, falas e condutas do profeta Maomé, que servem como diretriz para a vida que todos os muçulmanos deveriam seguir.

O código tem disposições sobre todos os aspectos da vida cotidiana, incluindo direito de família, negócios e finanças e incluem orações diárias, jejum e doações para os pobres.

O restaurante de frutos do mar Pescatore, inaugurado recentemente na praia do Lido, no sul de Mogadíscio, era frequentado por funcionários da segurança e do governo.

Não ficou claro se havia funcionários de alto escalão ou pessoal de segurança entre os mortos ou feridos.

Na semana passada, centenas de legisladores somalis finalmente tomaram posse, abrindo caminho para a escolha do novo líder do país, um processo que foi adiado por meses em meio a uma disputa de poder entre o atual presidente e o primeiro-ministro.

*Estagiário do R7, com supervisão de Celso Fonseca

Últimas