Internacional UE condena bombardeio à Ucrânia e alerta sobre pretexto para ataque

UE condena bombardeio à Ucrânia e alerta sobre pretexto para ataque

Europa condena o uso de armas pesadas e bombas em áreas civis, que constituem violação dos acordos de Minsk

  • Internacional | Da EFE

União Europeia elogiou a posição moderada do governo ucraniano diante dos ataques

União Europeia elogiou a posição moderada do governo ucraniano diante dos ataques

ARIS MESSINIS / AFP - 19.02.22

A União Europeia repudiou neste sábado (19) o uso de armamento pesado e o bombardeio "indiscriminado" de áreas civis no leste da Ucrânia e alertou sobre "acontecimentos encenados" que podem ser usados como pretexto para uma possível escalada militar.

"A UE condena o uso de armas pesadas e o bombardeio indiscriminado de áreas civis, que constituem uma clara violação dos acordos de Minsk e do direito humanitário internacional", disse Josep Borrell, alto representante da UE para Assuntos Exteriores, em declaração em nome do bloco.

A UE elogiou a "posição moderada" do governo ucraniano diante das "contínuas provocações e esforços de desestabilização", comentou, ao recordar que a "acumulação massiva" de forças armadas na Ucrânia e nos arredores continua sendo "motivo de grande preocupação", razão pela qual pediu à Rússia que "reduza as tensões através de uma retirada substancial dos militares das proximidades das fronteiras".

Borrell disse que essa escalada está "exacerbada pelo aumento das violações do cessar-fogo ao longo da linha de contato no leste da Ucrânia nos últimos dias".

Segundo o diplomata, a UE apoia a proposta do representante especial da Osce (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) de convocar uma sessão extraordinária do Grupo de Contato Trilateral com o objetivo de "acalmar as tensões atuais".

O chefe da diplomacia europeia destacou que a UE está "extremamente preocupada" com o fato de "acontecimentos encenados, como recentemente observado, poderem ser utilizados como pretexto para uma possível escalada militar".

Borrell afirmou que a UE "também está assistindo a uma intensificação de esforços para manipular a informação em apoio de tais objetivos".

Nesse contexto, manifestou forte apoio à Missão Especial de Monitoramento da Osce, cujos observadores desempenham um papel "essencial" nos esforços de desescalada, e frisou que a missão "deve ser capaz de cumprir plenamente o seu mandato sem restrições".

Além disso, de acordo com Borrel, a União Europeia "não vê motivos" para as acusações procedentes das áreas controladas por ONGs das regiões de Donetsk e Lugansk sobre um possível ataque ucraniano.

"A UE insiste que a Rússia se empenhe em um diálogo significativo na diplomacia, mostre contenção e reduza a escalada", enfatizou.

O político espanhol deixou claro que "qualquer nova agressão militar da Rússia à Ucrânia terá consequências massivas e custos severos em resposta, incluindo medidas restritivas coordenadas com parceiros internacionais".

"A UE reitera o seu apoio inabalável à soberania e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas", concluiu.

Últimas