Minas Gerais Ação do MP pede que Vale garanta segurança de oito barragens em MG

Ação do MP pede que Vale garanta segurança de oito barragens em MG

Segundo o órgão, mineradora sabia desde 2018 que as estruturas estavam em "zona de atenção"; barragem de Brumadinho também estava na lista

Segundo MP, oito barragens da Vale estão em zona de alerta

Segundo MP, oito barragens da Vale estão em zona de alerta

Reprodução / Record TV Minas

O Ministério Público de Minas Gerais entrou com uma ação civil pública na Justiça pedindo que a mineradora Vale seja obrigada a adotar medidas para garantir a segurança em oito barragens do Estado que pertencem à companhia. De acordo com o órgão, a empresa sabia, desde outubro de 2018, que 10 estruturas estavam em zona de atenção (Alarp Zone).

Entre as represas colocadas na situação de risco, está a barragem da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, que se rompeu no dia 25 de janeiro. Até o momento, a tragédia deixou 165 mortos e 155 desaparecidos.

Em Minas, 1,7 milhão de pessoas vivem sob ameaça de barragens

Segundo o MPMG, a lista das barragens em zona de atenção foi apresentada à promotoria pela própria Vale. Os documentos foram solicitados após o colapso em Brumadinho. As seguintes estruturas fazem parte do levantamento:

    • Laranjeiras
    • Menezes II
    • Capitão do Mato
    • Dique B
    • Taquaras
    • Forquilha I
    • Forquilha II
    • Forquilha

Diante da situação de risco, o MPMG pediu à Justiça tutela de urgência para que a empresa seja obrigada a apresentar um relatório, elaborado por auditoria independente, falando sobre a estabilidade das barragens.

A ação pede, ainda, que caso seja verificada falta de condições de segurança, que a Vale adote todas as medidas necessárias para corrigir os problemas e comunicar a população que estiver dentro das áreas de alto salvamento, ou seja, em até 10 quilômetros da represa.

Também é proposto que a empresa “abstenha-se de lançar rejeitos ou praticar atividades que possam incrementar o risco nas barragens” citadas na lista.

Para caso de descumprimento das medidas, o MP pede aplicação de multa diária no valor de R$ 1 milhão.

Procurada pelo R7, a Vale reafirmou que todas as barragens da empresa possuem laudos de estabilidade. Sobre o documento citado pelo MP, a mineradora informou que trata-se de um estudo no qual geotécnicos da própria empresa reavaliam as estruturas já certificadas por auditorias externas e tem por objetivo encontrar medidas "adicionais de prevenção" . Segundo a nota, a metodologia usada é mais rígida do que os padrões previstos na legislação.

Confira a nota da Vale na íntegra.

A Vale reforça que todas as suas barragens foram certificadas e receberam laudos de estabilidade e segurança emitidos por auditorias externas e independentes. O documento citado é um estudo realizado com base em metodologia interna, na qual os geotécnicos da própria Vale reavaliam as estruturas já certificadas por auditorias externas como seguras e estáveis. Essa metodologia utiliza um padrão mais rígido que a legislação nacional e internacional vigente e, por isso, tem por objetivo prospectar medidas adicionais de prevenção.

Sarah, cachorra dos bombeiros de SP, auxilia em Brumadinho

    Access log