Minas Gerais Aeronave que caiu em bairro de BH estava irregular desde janeiro

Aeronave que caiu em bairro de BH estava irregular desde janeiro

Documento de manutenção anual do monomotor venceu em 24 de janeiro e não foi renovado; piloto Francisco Fabiano Gontijo morreu carbonizado 

Técnicos tiraram fotos dos destroços e coletaram material para análise

Técnicos tiraram fotos dos destroços e coletaram material para análise

Reprodução / Record TV Minas

A aeronave que caiu em um bairro de Belo Horizonte no último sábado (13) causando a morte do piloto Francisco Fabiano Gontijo estava sem licença para voar desde janeiro.

Segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), a IAM (Inspeção Anual de Manutenção) do monotor, documento anual necessário para garantir condição de voo, estava vencido desde o dia 24 de janeiro. E, por isso, o Certificado de Aeronavegabilidade estava suspenso.  

Veja mais: Aeronáutica investiga causas do acidente com avião em BH

Investigadores do Seripa III (Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) estiveram no local para fotografar cenas, retirar partes da aeronave para análise, reunir documentos e ouvir relatos de testemunhas do acidente. O órgão abriu uma ação inicial para começar o processo de investigação afim de evitar a ocorrência de novos acidentes desse tipo. 

Conforme relatos de moradores, o avião voava baixo e com motor desligado até atingir a fiação elétrica e o portão de uma casa. O piloto morreu carbonizado após a queda da aeronave.