Após 8 meses, Backer contrata empresa para negociar com vítimas

Cervejaria anunciou que empresa entrará em contato com familiares e pessoas intoxicadas; falta de diálogo era principal reclamação das vítimas

Cervejaria Backer está interditada desde o início do ano

Cervejaria Backer está interditada desde o início do ano

Divulgação / MPMG / André Lanna

Oito meses depois que a Polícia Civil abriu um inquérito para investigar os primeiros casos de intoxicação relacionados a cervejas da Backer, a cervejaria decidiu dar início às negociações com as vítimas e seus familiares. Ao todo, 29 pessoas foram intoxicadas e 10 morreram após consumirem cervejas da marca contaminadas com as substâncias tóxicas mono e dietilenoglicol. 

Em um texto publicado em uma rede social, a Backer diz se solidarizar com as pessoas que estão "sofrendo diretamente as consequências deste sinistro" e que está disposta "a buscar meios para minimizar ou superar a dor que todos estão sentindo". 

'Foi negligência da Backer', diz filha de homem que ficou 27 dias na UTI

A cervejaria anunciou, ainda, que contratou a empresa Câmara de Conciliação e Mediação Satisfactio, que passará a ser responsável por contactar as vítimas e seus familiares e abrir um canal de diálogo "com o objetivo de minimizar os sofrimentos e buscar uma solução capaz de trazer conforto e paz para todos".

A falta de diálogo da cervejaria Backer sempre foi uma das principais críticas das vítimas e seus familiares ao longo dos últimos oito meses. 

Investigação

As investigações da Polícia Civil demoraram cinco meses e o inquérito policial foi concluído com o indiciamento de 11 pessoas. O inquérito apontou técnicos da empresa como os principais responsáveis pela contaminação.

Foram indiciados por homicídio culposo, lesão corporal culposa e contaminação de produto alimentar o chefe de manutenção e seis técnicos do setor de produção.

Três integrantes do comando da Backer foram indiciados por contaminação de produto alimentício e, dentro da legislação de Defesa do Consumidor, não dar publicidade a produto alimentar contaminado. Foi indiciado ainda testemunha que mentiu durante depoimento. 

Na última semana, a Polícia Civil e o Ministério Público fizeram uma nova operação de buscas por documentos na sede da cervejaria Backer. O Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) também divulgou um relatório que concluiu que a contaminação das cervejas ocorria, pelo menos, desde o início de 2019. 

Também consta no relatório que a cervejaria adotou práticas irresponsáveis ao utilizar líquidos que auxiliam na refrigeração da cerveja de forma excessiva. O material apontou, ainda, que a empresa possui diversas falhas no sistema de controle de gestão interna, apresentando informações incompletas nos relatórios de produção da bebida.

Confira a nota da Backer, na íntegra:

Decorridos oito meses das primeiras notícias veiculadas pela imprensa sobre a informada intoxicação de consumidores da cerveja da marca "Belorizontina", vimos a público tecer considerações que entendemos, neste momento, pertinentes. Iniciamos a nossa mensagem com palavras de solidariedade para todos aqueles que estão sofrendo diretamente as consequências do sinistro, que, sem dúvida alguma, foi lamentável sob todos os aspectos.

Por mais que possamos fazer ou dizer algo, nunca será o suficiente para trazer de volta a rotina e a normalidade do passado. Estaremos sempre dispostos a buscar meios para minimizar ou superar a dor que todos estamos sentindo. Saibam que, mesmos convictos de nossa boa fé e enquanto aguardamos a apuração de responsabilidades nos processos instaurados, paralelamente, e antes de qualquer definição judicial, contratamos os serviços da CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO SATISFACTIO, câmara privada e especializada na solução de conflitos.

Através de uma agenda de sessões, já iniciadas, a SATISFACTIO entrará em contato com as vítimas e ou suas respectivas famílias, para que, juntos e acompanhados pelos conciliadores e mediadores, possamos iniciar profícuo diálogo com o objetivo de minimizar os sofrimentos e buscar uma solução capaz de trazer conforto e paz para todos. Este é o caminho. Não haverá espaço neste novo ambiente de diálogo para o debate sobre culpas e responsabilidades, buscaremos apenas soluções.

Tenham a certeza de que o diálogo para o qual serão convidados será pautado pela boa fé, tanto nas intenções como no compromisso de fazermos o possível para encerrarmos este triste capítulo. Queremos e temos muita fé de que tudo retornará a uma nova normalidade, com cicatrizes, mas um recomeço. Trabalharemos muito para que a vida volte a fluir, de forma diferente, certamente, mas ela tem que prosseguir. Backer.