Minas Gerais Backer diz que vai parar de pagar tratamento de paciente intoxicado 

Backer diz que vai parar de pagar tratamento de paciente intoxicado 

Empresa comunicou à Justiça que, com os bens bloqueados, não possui recursos financeiros para seguir auxiliando quem foi intoxicado pela cerveja 

Tratamento de vítima será interrompido

Tratamento de vítima será interrompido

Reprodução/Record TV Minas

A Backer protocolou nesta semana uma petição na Justiça informando que vai parar de pagar o tratamento do paciente Cristiano Mauro Assis Gomes, intoxicado por mono e dietilenoglicol após consumir as cervejas da marca.

O professor da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) desenvolveu um caso de insuficiencia renal e era a única vítima cuja assistência médica era custeada pela empresa. 

Como justificativa, a empresa alegou que não possui qualquer recurso financeiro para dar continuidade ao acordo firmado com Cristiano, uma vez que todos os seus bens permanecem bloqueados

Leia mais: Backer vai fazer álcool contra covid com cerveja estocada

A empresa alega que a Justiça não reconheceu que há comprovação médica no caso de  seis vítimas que vinculem as enfermidades à síndrome nefroneural que podem ter sido causados pela contaminação da cerveja. Além disso, segundo a Backer, nenhuma das vítimas habilitadas comprovou documentalmente as despesas que não estariam cobertas pelos seus planos de saúde. 

De acordo com a cervejaria, a ausência de cumprimento da ordem judicial proferida pelo Tribunal de Justiça impossibilita que o próprio juiz realize o custeio do auxílio emergencial determinado.

A empresa informou, ainda, que tão logo as vítimas apresentem todos os documentos exigidos pela decisão e o juiz determine a alienação judicial de qualquer dos bens bloqueados, o pagamento dos tratamentos médicos será realizado para quem, efetivamente, comprove a necessidade do auxílio. 

*Estagiária do R7 sob a supervisão de Lucas Pavanelli

Últimas