Dezoito idosos morreram por maus-tratos em asilo em Santa Luzia (MG)

Após dois meses, Polícia Civil concluiu investigações que apuraram que 78 internos foram vítimas de torturas e dois deles, de crime sexual

Asilo funcionou em uma casa em Santa Luzia durante três anos

Asilo funcionou em uma casa em Santa Luzia durante três anos

Record TV Minas

A Polícia Civil concluiu um inquérito que aponta que 18 idosos morreram em um asilo em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, devido a maus-tratos. Ao todo, a apuração conseguiu comprovar que 76 foram vítimas de torturas no local. A Polícia também constatou que dois internos foram vítimas de crimes sexuais. 

Ao todo, cinco pessoas, que já estão presas, foram indiciadas pela Polícia Civil. As investigações duraram dois meses e começaram após denúncia de uma ex-funcionária da clínica, que funcionava há três anos no bairro Barreiro do Amaral. 

De acordo com a corporação, durante os dois meses de investigações, foram ouvidas mais de 50 pessoas e colhidas dezenas de provas, entre documentos, laudos médicos e perícias.  

As investigações revelaram uma situação ainda mais grave que a que foi relatada à época. No final de julho, a Polícia Civil prendeu a dona do asilo Acolhendo Vidas, Elizabeth Lopes Ferreira e sua filha, Poliana Lopes Ferreira. Á época, elas era acusadas de torturar cerca de 50 idosos que viviam no local. O número chega a 76, segundo as investigações.

Dias depois, um cuidador identificado como JP também foi preso e, em seguida, o marido da dona do asilo Paulo Lopes Ferreira e outra filha dela, Patrícia Lopes Ferreira.