Minas Gerais Gestão Zema pagou R$ 221 mil a clínicas ligadas a ex-secretário

Gestão Zema pagou R$ 221 mil a clínicas ligadas a ex-secretário

Carlos Eduardo Amaral declarou ter participações em duas empresas de Juiz de Fora, uma delas com contrato com o governo

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7, com Enzo Menezes, da RecordTV Minas

Repasses foram feitos pelo Governo de Minas quando ex-secretário ainda exercia o cargo

Repasses foram feitos pelo Governo de Minas quando ex-secretário ainda exercia o cargo

Divulgação/Imprensa MG/Pedro Gontijo

A gestão do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), pagou R$ 221 mil a duas empresas ligadas ao ex-secretário de Saúde Carlos Eduardo Amaral (Novo), entre 2019 e 2021, período em que ele ocupou o cargo. Amaral foi exonerado neste mês após ter autorizado a vacinação de servidores da sua pasta, parte deles fora dos grupos prioritários determinados pelo PNI (Programa Nacional de Imunização). 

Médico com atuação profissional em Juiz de Fora, a 260 km de Belo Horizonte, Carlos Eduardo Amaral declarou à Justiça Eleitoral, em 2018, ser sócio de oito empresas, com atuação nas áreas médica e de educação. Duas delas receberam recursos do Governo de Minas desde 2019, quando Zema passou a governar o Estado e Amaral assumiu a pasta da saúde. 

A MASP Clínica Radiológica Ltda. recebeu R$ 192.093,35 nos últimos três anos, sendo R$ 95,7 mil em 2019, R$ 78,4 mil em 2020 e R$ 17,9 mil entre janeiro e março de 2021. Já o Instituto de Clínicas e Cirurgias de Juiz de Fora recebeu repasse de R$ 29.046,62 em 2020. 

Empresas

Em 2018, quando se candidatou ao cargo de deputado federal pelo partido Novo com o nome de dr. Carlos Eduardo, o médico declarou possuir R$ 1,8 milhão em bens. Em sua declaração, listou ser sócio de oito empresas, entre elas as duas citadas. 

Sobre a MASP Clínica Radiológica Ltda., Amaral não informou o percentual da sua participação. Apenas declarou que teria direito a R$ 22 mil referente a uma futura integralização do capital social da empresa. Já com relação ao Instituto de Clínicas e Cirurgias de Juiz de Fora, ele declarou ter 0,5% da empresa, estimado em R$ 202.500. 

Outro lado

À reportagem, o ex-secretário Carlos Eduardo Amaral confirmou que é sócio minoritário das duas empresas, tendo 1% das ações da MASP e 0,5% no Instituto de Clínicas. Segundo ele, não é gestor em nenhuma delas, "situação que o faz estar em alinhamento com as diretrizes do Conselho de Ética, com as determinações do Código de Conduta Ética do Agente Público e da Alta Administração Estadual".

Amaral também afirmou que os valores foram repassados pelo governo estadual após atendimento ao público, formado por servidores, por meio do Ipsemg (Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais).

O Governo de Minas também confirmou os repasses. Em nota, o Executivo informou que a MASP Clínica Radiológica tem contrato vigente com o Ipsemg desde 2017. "Em pesquisa ao site da receita federal, verificou-se que o ex-secretário, Carlos Amaral, não consta no quadro de sócios", segundo a nota. O próprio ex-secretário, no entanto, confirmou ter parte das ações da empresa. 

Já no caso do Instituto de Clínicas e Cirurgias de Juiz de Fora, o Governo de Minas afirmou ter pago o valor de R$ 29.046,62, em 2020, "referente a serviços prestados a beneficiário do Ipsemg, após decisão judicial obrigando o Ipsemg a realizar esse pagamento". De acordo com o Executivo, a instituição não tem contrato firmado com o Ipsemg. 

Últimas