Minas Gerais Investigada por 'fura-fila', servidora da saúde de Minas falta a CPI

Investigada por 'fura-fila', servidora da saúde de Minas falta a CPI

Diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis, Janaína Fonseca Almeida, alegou que é investigada e não poderia ir a sessão

Governo de MG abriu processo contra servidores

Governo de MG abriu processo contra servidores

Gil Leonardi/Imprensa MG

A diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis da SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais), Janaína Fonseca Almeida, não compareceu a uma audiência da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga as denúncias de irregularidades no processo de vacinação dos servidores da saúde em Minas Gerais. 

Janaína comunicou à CPI que não poderia comparecer à sessão, que ocorre nesta terça-feira (27), já que está sendo investigada em um PAD (Processo Administrativo Domiciliar) pela Controladoria-Geral do Estado. Ela é uma das três servidores que responde à sindicância aberta pelo órgão de controle do Estado. 

De acordo com a CPI, ela deve ser convocada para uma nova audiência da comissão para prestar esclarecimentos. No entanto, ela será ouvida como investigada e não mais como testemunha.  

Processo administrativo

O Governo de Minas Gerais abriu, no último sábado (24), processos administrativos contra três servidores da SES-MG por possiveis irregularidades na vacinação de funcionários da pasta contra a covid-19.

Resultado preliminar da investigação da CGE (Controladoria-Geral do Estado) aponta que há indícios de ilegalidades no caso conhecido como dos "fura-filas", revelado pelo R7, em fevereiro deste ano.

O governo não divulgou o nome dos servidores que responderão o processo administrativo, mas detalhou que foram identificadas inobservância de normas e da ordem de priorização dos grupos para vacinação, valimento indevido do cargo público e aplicação indevida de verbas públicas para os imunizantes da covid-19.

Últimas