Minas Gerais Polícia interroga sete pessoas sobre morte de menino em toboágua

Polícia interroga sete pessoas sobre morte de menino em toboágua

Entre elas está o gerente do parque onde ocorreu o acidente; engenheiro e pais da vítima também vão ser ouvidos

  • Minas Gerais | Laura Adler*, da Record TV Minas

Polícia quer saber se estrutura estava interditada

Polícia quer saber se estrutura estava interditada

Reprodução/Redes Sociais

A Polícia Civil de Goiás já ouviu sete funcionários do parque onde uma criança de 8 anos morreu no último domingo (13), após cair de um toboágua, a 15 metros de altura.

A informação foi divulgada pelo delegado de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Caldas Novas, delegado Rodrigo Pereira, nesta sexta-feira (18). De acordo com o responsável pelas investigações, entre os sete ouvidos está o gerente-geral do diRoma Acqua Park.

A polícia investiga como Davi Lucas teve acesso ao brinquedo interditado e se houve negligência ou falta de sinalização por parte do parque. As imagens do circuito interno foram recolhidas e encaminhadas à perícia. Nos próximos dias está previsto o depoimento do engenheiro responsável pela reforma do toboágua. Os pais das crianças também serão ouvidos.

A família afirma que no local havia apenas fitas zebradas indicando a interdição. Já o diRoma Acqua Park alega que “a área em que ocorreu o acidente estava completamente fechada com tapume e devidamente sinalizada para reforma e melhorias”.

A vítima, natural da cidade de Conselheiro Lafaiete, a 100 quilômetros de Belo Horizonte, estava com a família de férias e caiu da estrutura que estava desativada, em obras. O enterro aconteceu na última segunda-feira (14).

* Estagiária, sob supervisão de Antonio Paulo

Últimas