Minas Gerais Transmissão da covid-19 em BH continua estável em "fase de alerta"

Transmissão da covid-19 em BH continua estável em "fase de alerta"

Índice que mede a expansão da doença passou de 1,13 para 1,12 e se mantém próximo da "fase vermelha"; BH contabiliza 1.580 mortes e 52 mil casos

Taxa de transmissão da covid em BH continua na fase amarela

Taxa de transmissão da covid em BH continua na fase amarela

Reprodução / Pixabay

Após registrar cinco aumentos consecutivos, a taxa de transmissão da covid-19 em Belo Horizonte registrou uma leve queda: de 1,13 para 1,12. Apesar disso, o índice continua próximo da “fase vermelha”

Segundo os dados divulgados pela Prefeitura de BH nesta terça-feira (17), o índice passou de 1,13 para 1,12, permanecendo na “fase de alerta”. Entre os dias 9 e 16 de novembro, o índice, que estava em 0,99, avançou para 1,13, saindo da “fase verde”. A taxa, também conhecida como Rt, aponta que cada grupo de 100 pessoas é capaz de infectar, atualmente, outras 112 pessoas.

Em nota, a Prefeitura de Belo Horizonte confirmou que a taxa registrada na segunda foi a mais alta desde 3 de julho, quando o índice também estava em 1,13. Apesar disso, o executivo alega que o maior valor para o Rt é do dia 29 de maio, quando o índice estava em 1,24.

Veja: Protocolo de volta às aulas em BH prevê limite de 12 alunos por sala

Apesar do aumento recente na taxa de transmissão, o número de testes PCR e rápido realizados em BH caiu. Entre os dias 8 e 14 de novembro, foram 7.606 testagens em laboratórios públicos e privados. Em julho, entre os dias 5 e 11, foi realizado o maior número de testes: 31.706, ou seja, quatro vezes mais.

Covid-19 em BH

Nas últimas 24 horas, Belo Horizonte confirmou 14 óbitos e 300 testes positivos para o novo coronavírus. Com isso, a capital contabiliza 1.580 mortes causadas pela doença e 51.494 casos confirmados, além de 47.751 curados e 2.343 pacientes em acompanhamento.

Na contramão da taxa de transmissão, os outros índices de monitoramento subiram nas últimas 24 horas. A ocupação dos leitos de terapia intensiva passou de 31,8% para 33,5%, enquanto 30,7% dos leitos de enfermaria estão ocupados atualmente.

*Estagiário do R7 sob a supervisão de Lucas Pavanelli.

Últimas