Autos Carros Carros elétricos ficarão mais barato que modelos a combustão em 2027

Carros elétricos ficarão mais barato que modelos a combustão em 2027

Projeção mundial não inclui o Brasil que ainda está atrasado no incentivo aos veículos eletrificados

Resumindo a Notícia

  • Estudo foi feito pela BloombergNEF (New Energy Finance) a pedido do Transport & Environment (T&E)
  • SUVs eletrificados serão mais baratos um ano antes do prazo obtido pela pesquisa
  • Vans elétricas terão vantagem sobre as movidas a diesel já em 2025
  • Pesquisa aponta queda de 58% no preço das baterias até 2030
Hatchbacks, sedãs médios e os SUVs eletrificados serão mais baratos um ano antes do prazo obtido pela pesquisa

Hatchbacks, sedãs médios e os SUVs eletrificados serão mais baratos um ano antes do prazo obtido pela pesquisa

Marcos Camargo Jr. 15.04.2021

Segundo o estudo feito pela BloombergNEF (New Energy Finance) a pedido do Transport & Environment (T&E), os carros elétricos ficarão mais baratos do que os gasolina até 2027 na Europa. Isto deve acontecer por conta das novas exigências de países da região para reduzir as emissões de gases nocivos na natureza e, também, por novas tecnologias como o desenvolvimento de novas baterias e formas de abastecer modelos eletrificados. O Brasil, apesar do recorde de vendas de veículos deste porte, ainda deve demorar a ver os preços caírem, pois está em fase de transição de modelos a combustão para híbridos em um processo lento.

MINI COUNTRYMAN É O IPHONE DOS CARROS! Tem motor híbrido de 224cv mas custa R$ 264 mil! Veja o vídeo!

O levantamento ainda aponta que os hatchbacks, sedãs médios e os SUVs eletrificados serão mais baratos um ano antes do prazo obtido pela pesquisa. Já os veículos do segmento B, que são menores e mais baratos, ficarão mais acessíveis daqui a seis anos. Vans elétricas terão vantagem sobre as movidas a diesel já em 2025 e as de porte maior em 2026.

CHEVROLET BOLT ELÉTRICO custa 4 vezes um Onix 1.0 ou 2 Tracker - 203cv e 480km de autonomia: VALE? Veja o vídeo!

Segundo o estudo a razão para a queda nos preços é a previsão do valor das baterias, que terão um decréscimo de 58% no preço até 2030 é isso irá influenciar diretamente no valor dos modelos. As novas plataformas desenvolvidas pelas montadoras para carros elétricos e a produção dedicada para eles também será um fator importante para baixar os valores e a unificação de produtos é uma tendência.

Além disso, com as metas de redução de emissões de CO2 estabelecidas e as medidas de incentivos aos carros deste porte pelos países europeus é outro ponto importante para a queda nos preços o que também dependerá de incentivos, o que já ocorre em países como Alemanha e Inglaterra. A pesquisa também relata que estes automóveis podem ajudar a região a atingir a meta de redução de gases poluentes até 2035.

E por aqui?
No Brasil, apesar de este quadrimestre ter recorde de vendas com 7.290 unidades comercializadas, os preços dos elétricos ainda não devem ter uma redução ante os carros a gasolina. Isso porque no nosso país não há um parque industrial adequado a estas novas tecnologias.

Outro entrave é a geração de energia extra para alimentar uma frota significativa de veículos elétricos no país. Mesmo com fonte limpa é preciso aumentar a capacidade de geração de energia e não só aumentar pontos de abastecimento.

NOVO ZOE ELÉTRICO TEM TAMANHO DE 1 SANDERO E CUSTA O PREÇO DE 3! Vale a pena por R$ 220 mil? Veja o vídeo!

Ainda assim, o país caminha, mesmo que devagar, para a eletrificação, uma vez que passou de 350 postos de recarga em 2019 para 600 neste ano.

A frota também aumentou e chegou a marca de 49.559. Deste montante, os modelos mais vendidos foram híbridos com 53%, híbridos plug-in com 41% e os eletrificados com apenas 6%. Este ano ainda deve fechar com mais de 28 mil unidades licenciadas, o que será 42% maior do que em 2020. O segmento também aguarda medidas governamentais para deixá-lo mais competitivo, assim como é feito em países europeus, que possuem impostos mais baratos ou até isenção para carros desta categoria.

*Em colaboração Felipe Salomão

Últimas