Autos Carros Renault paralisa produção por falta de peças no Paraná

Renault paralisa produção por falta de peças no Paraná

Complexo industrial é responsável por fabricar o Captur, Duster, Kwid, Logan, Sandero e Stepway

Resumindo a Notícia

  • Complexo Curitiba Veículos de Utilitários - CVU ficará parado por 5 dias
  • Produção do furgão Master também será afetada
  • Segundo estudo norte-americano, 130 mil automóveis deixaram de ser produzidos no Brasil
  • Outras montadoras também foram afetadas por falta de componentes eletrônicos
Por aqui, 130 mil automóveis deixaram de ser produzidos de acordo com estudo norte-americano

Por aqui, 130 mil automóveis deixaram de ser produzidos de acordo com estudo norte-americano

Renault/Divulgação

A Renault é mais uma montadora que interrompe a linha de produção por conta da falta de semicondutores. A empresa paralisa a linha de montagem de São José dos Pinhais, no Paraná, por 10 dias, o que deve afetar a produção e as vendas do Captur, Duster, Kwid, Logan, Sandero e Stepway, que são produzidos por lá. Além disso, o complexo chamado de Curitiba Veículos de Utilitários - CVU, que fabrica o furgão Master, ficará parado por 5 dias. 

JÁ ANDEI COM O NOVO CAPTUR TURBO 1.3 de 170cv! Veja o teste na cidade e na estrada: SURPRESA! Veja o vídeo!

Além da empresa francesa, outras montadoras têm sofrido por causa da falta dos chips eletrônicos, que tem afetado todo o mundo. Segundo a pesquisa do Boston Consulting Group – BCG, esse problema representará uma perda de produção mundial entre 5 e 7 milhões de veículos. Por aqui, 130 mil automóveis deixaram de ser produzidos de acordo com o estudo norte-americano. 

NOVA DUSTER É MELHOR QUE KICKS, CRETA, CACTUS, 2008, ECOSPORT E TIGGO 2 ? COMPARATIVO 2020/2021. Veja o vídeo!

Tiveram que parar a linha de montagem no país a Volkswagen, a Hyundai, a Fiat, a Honda, além da Chevrolet a mais prejudicada, que está parada desde junho e só deve voltar em 16 de agosto. 

COMO FAZER O SANDERO 1.0 RODAR 13,5km/litro com ETANOL - veja o teste de consumo! Veja o vídeo!

Entenda o crisa
A crise mundial por falta de semicondutores começou com a pandemia de COVID-19, uma vez que a cadeia global de produção de componentes e chips eletrônicos mudou de estratégia para atender o forte crescimento das vendas de eletrônicos no mundo neste período. Com isso, o segmento automotivo, que esperava uma grave crise de demanda com os lockdowns, que afetaram todos os países, suspendeu encomendas destes equipamentos geralmente de origem asiática. No entanto, com a forte alta das vendas, as fábricas de veículos não conseguiram atender toda essa demanda, o que tem paralisado fábricas por aqui, fenômeno que travou a produção de automóveis no mundo todo.

Falta de semicondutores também afeta outras montadoras

Falta de semicondutores também afeta outras montadoras

Renault/Divulgação

Como a maioria destas peças são produzidas no território chinês ou em outros lugares do mundo, as empresas que têm sede no Brasil sofrem por conta disso, já que esses componentes demoram a chegar ao país já comprometidos com fabricantes de smartphones e eletroeletrônicos em geral.

Com a palavra a Anfavea
Conforme a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores – Anfavea informou na última apresentação dos resultados da indústria nacional que a crise global por falta de semicondutores ainda não tem uma solução a curto prazo, o que deve causar mais pausas nas linhas de montagens por aqui até o final do ano.

LOGAN 1.6 CVT VALE R$ 79 mil? É melhor que Onix Plus, HB20S e Virtus? Preço, review, consumo aqui. Veja o vídeo!

A Associação ainda destacou que a capacidade das empresas produtoras de componentes eletrônicos deste porte ainda não cobrem a demanda automotiva deste ano. Por isso, a normalização no fornecimento destes insumos deve acontecer apenas no próximo ano. Além disso, a falta dos chips tem causado perdas entre 3 e 5% na produção global dos automóveis.

*Em colaboração Felipe Salomão

Últimas