Blog do Pascarelli No AM, Delegado que matou advogado ganha tornozeleira e pode trabalhar

No AM, Delegado que matou advogado ganha tornozeleira e pode trabalhar

Delegado condenado pelo homicídio do advogado Wilson Justo Filho foi beneficiado com regime semiaberto e agora pode circular normalmente, mas com monitoramento eletrônico. Com a medida, Sotero também já pode trabalhar. 

Delegado de polícia do Amazonas atirou em advogado, em casa noturna de Manaus, após levar um soco no rosto.

Delegado de polícia do Amazonas atirou em advogado, em casa noturna de Manaus, após levar um soco no rosto.

Divulgação

O delegado Gustavo de Castro Sotero esteve na tarde desta sexta-feira (03/9) na Central de Recebimento e Triagem (CRT), no KM 8 da BR174, para dar entrada no regime semiaberto do sistema prisional do Estado do Amazonas. A informação foi confirmada pela assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária. Logo após, Sotero seguiu para o Centro de Operações e Controle, no bairro Cachoeirinha, em Manaus, para instalação da tornozeleira eletrônica que terá que acompanhá-lo permanentemente.

Sotero cumpriu determinação da juíza Sabrina Cumba Ferreira, da 2ª Vara de Execução Penal, do Tribunal de Justiça do Amazonas, que é responsável pela administração dos presos do regime semiaberto do sistema prisional do estado. O delegado foi beneficiado pela progressão de regime, no último dia 31 de agosto, em documento assinado pelo juiz Luis Carlos Valois, a pedido da defensoria pública, por bom comportamento. O Ministério Público do Estado do Amazonas foi contrário à decisão.

Com a decisão da magistrada, Gustavo Sotero segue o mesmo rito dos demais detentos que podem circular livremente pela cidade com monitoramente eletrônico. Mas, apesar do benefício, a juíza pontuou condições a serem seguidas, como ter que permanecer em casa das 22h às 6h durante a semana e, nos fins de semana, ficar completamente recluso em casa. Não pode sair do local sem prévio aviso à central de monitoramento. Ele também não pode mudar de residência, portar qualquer espécie de arma (branca ou de fogo), ingerir bebidas alcoólicas ou entorpecentes, nem se envolver em qualquer tipo de infração penal. 

A Ordem dos Advogados do Brasil secção Amazonas emitiu nota convocando a impresa para falar sobre o caso. Durante o julgamento a OAB atuou como auxiliar da acusação. 

Gustavo Sotero foi condenado a 30 anos de reclusão em regime fechado em novembro de 2019, pelo homicídio qualificado privilegiado do advogado Wilson Justo Filho, além dos crimes de homicídio privilegiado tentado; lesão corporal de duas pessoas, incluindo a esposa do advogado. O crime ocorreu no dia 25 de novembro de 2017 em uma casa noturna, na zona oeste de Manaus.

Últimas