Christina Lemos Eleições 2022: PL caminha para o racha por Bolsonaro

Eleições 2022: PL caminha para o racha por Bolsonaro

Comando do partido já se prepara para desfiliações, mas mira em bancada e cofre turbinados

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto: debandada será seguida de adesão de bolsonaristas, em caso de filiação do presidente

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto: debandada será seguida de adesão de bolsonaristas, em caso de filiação do presidente

José Cruz/ABr – 28.09.2011

O comando do PL já se prepara para a debandada de correligionários que fazem oposição a Bolsonaro e de líderes regionais que terão prejuízo em alianças se o presidente de fato assinar a ficha de filiação da legenda. O momento é de intensas conversações para o “manejo dos danos”. Mas o partido está disposto a enfrentar as dificuldades para abrigar a candidatura à reeleição de Bolsonaro, capaz de ampliar de forma expressiva o número de cadeiras da legenda no Legislativo e turbinar o acesso a verbas que financiam a atividade política.

Enquanto prosseguem as articulações internas, interlocutores privilegiados estão encarregados de convencer o presidente Bolsonaro do cenário de risco que se aproxima: desistir do PL seria deixar o partido à deriva, inclusive para apoiar Lula e Moro, de acordo com conveniências regionais.

As opções do presidente também vão ficando rarefeitas. Optar por um partido nanico, ainda menor que o PL, deixaria Bolsonaro sem a capilaridade nacional necessária e o obrigaria a gerar uma ampla estrutura para viabilizar a campanha. Partidos do Centrão, como PP e Republicanos, apresentam problemas semelhantes ou com grau de complexidade ainda maior, em comparação com o PL. 

O presidente da legenda, Valdemar Costa Neto, está disposto a aguardar o resultado das prévias do PSDB, previstas para este domingo, para desatar o principal nó: a promessa de apoio do PL à candidatura de Rodrigo Garcia, que Doria deseja emplacar no Palácio dos Bandeirantes. O pré-candidato, no entanto, tem desempenho muito inferior ao dos concorrentes, Geraldo Alckmin e Fernando Haddad – o que não anima o PL a trocar Bolsonaro por Garcia. “Não se faz omelete sem quebrar ovos” – é a máxima que começa a imperar no núcleo da legenda.

Últimas