Christina Lemos Lula deve anunciar na semana que vem José Múcio para a Defesa

Lula deve anunciar na semana que vem José Múcio para a Defesa

Homem de confiança do presidente eleito, ex-presidente do TCU é político moderado e de bom trânsito entre militares e também no Congresso

José Múcio: 'solução a caminho' para a Defesa

José Múcio: 'solução a caminho' para a Defesa

Marcello Casal Jr/22.nov.2007/ABr

Ex-ministro da Secretaria de Relações Institucionais e ex-presidente do Tribunal de Contas da União, José Múcio é o nome do presidente eleito Lula da Silva para o Ministério da Defesa. A escolha busca “retomar a institucionalidade nas relações” com os militares, segundo fonte próxima a ambos, e deve ser anunciada na semana que vem. "É a solução que está a caminho", indica.

Lula está em Brasília desde domingo e busca acelerar a definição dos nomes para o Ministério, além de dar a palavra final sobre temas estratégicos levantados pela equipe de transição.

José Múcio foi o responsável pela articulação política de parte do segundo mandato de Lula, durante o período de novembro de 2007 a setembro de 2009. Representante do PTB no então governo de coalizão do petista, Múcio tornou-se nome de confiança de Lula e consolidou a imagem de bom negociador e cumpridor de acordos. O ex-ministro foi deputado federal, mora em Brasília e mantém trânsito entre diversas correntes políticas.

A passagem de José Múcio pelo Tribunal de Contas da União, de 2009 a 2021, culminou com a presidência do tribunal e o afastamento da política partidária. A atuação técnica à frente da corte fiscalizadora agregou respeitabilidade à carreira do homem público, o que teria pavimentado o caminho para a função hoje escolhida pelo presidente eleito.

As primeiras sondagens com interlocutores militares já começaram e foram feitas pelo próprio Lula. Para a sucessão nos comandos das Forças — Marinha, Exército e Aeronáutica —, a ideia é obedecer às regras internas de sucessão, com escolha entre os oficiais mais velhos na patente correspondente ao cargo, indicados pelos próprios militares. A estratégia busca mostrar respeito pela instituição e sinalizar a não interferência no regramento militar.

A escolha de José Múcio para a Defesa "seria uma solução muito inteligente. Ajudaria a destampar a panela de pressão", declara general ouvido pelo blog, com trânsito livre entre militares da ativa e também da reserva. A escolha de um civil para o comando da Defesa também não representaria problema. "Um civil é a preferência da maioria", diz a fonte. "Mas as Forças Armadas estão apreensivas com o que virá", pondera. 

O critério de antiguidade para a escolha dos comandantes das Forças não deve ser o único. A lei sobre o tema estabelece como pré-requisito que o cargo seja ocupado por um oficial de quatro estrelas — isto é, que tenha percorrido toda a cadeia hierárquica de comando. "Nas Forças Armadas não tem transição, como na Defesa, tem substituição, porque há projetos e missões em andamento a serem continuados", diz o general. 

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas