Christina Lemos Nordeste reage a Queiroga prestes a receber 1 mi de doses da Sputnik

Nordeste reage a Queiroga prestes a receber 1 mi de doses da Sputnik

Após ministro da Saúde dizer não serem necessárias vacina russa e a Covaxin, governadores cobram inclusão de imunizante ao PNI

Queiroga foi cobrado por governadores do Nordeste sobre vacina russa no PNI

Queiroga foi cobrado por governadores do Nordeste sobre vacina russa no PNI

Myke Sena/MS - 07.07.2021

O Consórcio Nordeste, um grupo dos governadores formado em 2019 para estimular o desenvolvimento da região, reagiu nesta terça-feira (20) à declaração do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, de que o Brasil não precisa mais dos imunizantes Sputnik V, fabricado pelo Instituto Gamaleya, e da Covaxin, da indiana Bharat Biotech. Na quarta-feira da semana que vem (28), chegam as primeiras 1,1 milhão de doses do fármaco russo ao aeroporto de Recife (PE).

Em ofício enviado a Queiroga, assinado pelo presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias, o grupo relembra a "situação calamitosa" da região e afirma que, não fosse a demora da Anvisa e do governo, "já teríamos vacinado com a Sputnik-V mais de 37 milhões de brasileiros de acordo com o cronograma originalmente pactuado neste mês de julho".

Os gestores públicos dos 9 estados cobram do Ministério da Saúde a inclusão da Sputnik V no PNI (Plano Nacional de Imunização), uma vez que o consórcio adquiriu, após aval da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), um lote de vacinas correspondente a 1% da população do Nordeste. 

"Considerando o esforço coletivo dos Estados do Nordeste e de outras regiões em superar as condicionantes impostas pela Anvisa e a proximidade da importação da vacina Sputnik V, com entrega prevista para o dia 28 de julho de 2021, o Consórcio Nordeste mantém a posição de inclusão deste imunizante no Plano Nacional de Imunização, por entender ser este extremamente necessário para a ampliação da vacinação em nosso país", diz o documento.

O grupo se diz aberto ao diálogo, mas pede "um posicionamento formal e expresso deste Ministro da Saúde quanto à decisão de retirada da vacina Sputnik V do PNI".

Relembre o caso

Numa reunião da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, na semana passada, Queiroga disse que o Brasil não compraria doses dos imunizantes Covaxin e Sputnik V porque apostaria no fornecimento de doses da Fiocruz/AstraZeneca, Instituto Butantan, Pfizer, Janssen e do consórcio Covax Facility.

A declaração ocorreu no momento em que as duas vacinas enfrentam dificuldades de liberação junto à Anvisa, além de estarem no centro das investigações da CPI da Pandemia no Senado. "Entendemos que o que temos de número de doses já é o suficiente para imunizar a população brasileira até o final do ano", afirmou o ministro na ocasião.

A Covaxin e a Sputnik V receberam aval de importação da Anvisa considerado inviável para uso porque permite a aplicação das vacinas em somente 1% da população. A justificativa do órgão regulador foi a ausência de documentos necessários que comprovassem a segurança dos produtos.

Últimas