Christina Lemos PEC é aposta para virar 10 milhões de votos no Sudeste

PEC é aposta para virar 10 milhões de votos no Sudeste

Caixa apressará pagamento de benefícios, mas recém-incluídos no Auxílio Brasil devem receber só em agosto

PEC do Estado de Emergência: medida é vista como passaporte para o segundo turno

PEC do Estado de Emergência: medida é vista como passaporte para o segundo turno

Michel Jesus/Câmara dos Deputados - 14.06.2022

Com a votação adiada para a próxima semana pela Câmara dos Deputados, a PEC do Estado de Emergência, como preferem chamar os defensores da medida, que promove a ampliação de programas de transferência de renda à população, ao custo estimado de R$ 41 bilhões,  é vista como o passaporte do presidente Bolsonaro para o segundo turno.

A aposta é que a medida colabore para reverter o mau humor do eleitor afetado por dificuldades financeiras e ajude a cumprir a meta de conquistar pelo menos 10 milhões de votos no Sudeste – região decisiva para ambos os principais concorrentes ao Planalto. Vencer essa diferença que separa o líder nas pesquisas, o ex-presidente Lula, do segundo colocado, o presidente Bolsonaro, é considerado um desafio eleitoral de grande porte.

Uma vez aprovada a mudança na Constituição que permitirá o aumento do benefício do Auxílio Brasil para R$ 600 e a inclusão de 1,6 milhão de pessoas que aguardavam na fila pelo pagamento – a medida de maior impacto entre todas no pacote –, as atenções se voltam para a capacidade de entrega da Caixa Econômica Federal.

Sob a gestão de Pedro Guimarães, a CEF cumpriu a missão com percalços e filas, no auge da pandemia. Mas o ex-presidente da Caixa deixou a expertise e os mecanismos tecnológicos azeitados para que a nova gestora, Daniella Marques, execute a tarefa. O pagamento aos novos beneficiários, no entanto, deve ocorrer apenas em agosto – o que reduzirá o impacto positivo pré-eleitoral da medida para apenas dois meses, antes da ida às urnas.

Os mais céticos estão descrentes quanto à eficiência eleitoral da medida. Lembram que Bolsonaro lucrou pouco, politicamente, na última edição turbinada do Auxílio Brasil. A criação da ajuda financeira aos caminhoneiros, circunscrita à categoria, também teria impacto limitado no desempenho do presidente nas pesquisas, uma vez que esses profissionais já pertencem tradicionalmente à base de Bolsonaro.

Ainda assim, a PEC se torna o novo componente a ser aferido pelas pesquisas pelos próximos dois meses, uma vez que a oposição, que vem votando a favor da medida, perde a condição de questioná-la perante a Justiça, com o argumento de que tal volume de transferência direta de renda a poucos meses da eleição desequilibraria a disputa.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas