Um fusca vinho na Avenida Nove de Julho

Depois de um aniversário em sua casa, o menino foi dormir no apartamento dos tios, ao lado do Bom Retiro, e atravessou a cidade pela famosa avenida

  • Nosso Mundo | Eugenio Goussinsky, do R7

A Nove de Julho se transforma em cada trecho

A Nove de Julho se transforma em cada trecho

Agência Estado/1965

Para uma criança nos anos 70, a Avenida Nove de Julho, fundada em 1941, unia mundos. Da parte ajardinada com canteiros, divisa entre os belos prédios do Itaim-Bibi e as mansões do Jardim Europa, quase até o turbilhão do Bom Retiro, de lojas, comércio e onde a maior parte da família do garoto morava. Tios e primos.

Leia mais: A esperança em todas as manhãs que passam

Era uma aventura ir de um lado a outro da cidade. Em cada trecho, características diferentes se apresentavam, como se o município fosse formado de nichos.

Agência Estado/09-04-1973

Dos endinheirados, dos mais pobres, dos trabalhadores e das madames. A Nove de Julho propiciava um verdadeiro passeio pelo universo local.

Leia mais: A pipa que brincava com a cidade

Primeiro, em sua parte residencial, mais moderna e aburguesada, como se dizia. Essa parte terminava em um conhecido condomínio, no encontro da Nove de Julho com a São Gabriel (antiga Avenida Flora) e a Rua Groelândia, entre o Itaim e o Jardim América.

Este conjunto de três edifícios de doze pavimentos amarronzados, se tornou uma referência naquela parte da via. Havia outros dois, um na esquina de trás e outro do lado oposto.

A partir de lá, se iniciava um trecho constituído por casas à beira da avenida, onde ficavam empreendimentos e até uma rádio, a Capital, já depois do cruzamento com a Brasil, no qual, do outro lado, ficava (e ainda está lá), em uma ampla casa, a sede do Automóvel Clube Paulista.

Antes do túnel de luzes alaranjadas, mais alguns prédios residenciais. No meio do barulho dos Jardins, passando a José Maria Lisboa, a Franca e a Itu.

De lá, se avistava dois túneis, cada um com um sentido de direção, sob um antigo morro, rodeado de moradias, com as edificações e centenárias árvores se avolumando às suas costas.

Passado o túnel sentido centro, símbolo de uma viagem no tempo, desenhava-se um novo lado da cidade. Surgia a partir da borda do Bixiga, com edifícios antigos, muitos transformados em cortiços.

Lá também ficava o antigo edifício do IAPETC, erguido décadas antes como uma inovação arquitetônica.

E, mais à frente, colado à Praça da Bandeira, o eterno Joelma, marco da construção civil e cenário de um trágico incêndio que realçou ainda mais o caráter humano daquela avenida e daquela região, imersas no magnetismo paulistano.

À noite, quando tudo fica mais calmo e reflexivo, o trajeto passava uma sensação de acolhimento, por entre os viadutos escuros e as antigas luminárias coloniais que se erguem até hoje - trazendo um pouco de lembrança aos mais velhos.

A noite do aniversário

Depois de um aniversáio em sua casa, o menino foi dormir no apartamento do tio e da tia, um casal que não tinha filhos.

Despediu-se dos seus pais. Os três saíram entre os últimos copos vazios da festa, deixando para trás os guardanapos na mesinha, o tapete verde da sala, cheio de migalhas, e as luminárias laterais, com algumas lâmpadas falhas.

Da ruazinha Galeno Revoredo, no Itaim, saíram pela Nove de Julho e, à certa altura, a porta do fusca vinho se abriu.

Os três pensaram que a maçaneta podia estar quebrada.

O menino, então, quis ajudar. Foi para o banco da frente, no colo da tia, e ficou segurando a maçaneta o caminho inteiro.

Como ela não tinha filhos, adorou a inusitada companhia.

Ele percebeu isso, enquanto vislumbrava a cidade e todas as suas nuances e ouvia a respiração tranquila daquela senhora.

Resvalavam bem pertinho, em seus ouvidos, as conversas do casal, em uma manifestação de confiança nele, que o fazia se sentir bem.

O ronco dos motores hoje são bem diferentes do daquele fusca vinho. O Vale do Anhangabaú, onde termina a Nove de Julho, também.

Deixou de ser uma pequena passagem para se tornar um túnel bem menos apertado do que o Daher Elias Cutait (aquele, mais conhecido como Nove de Julho).

Nos dias atuais, sempre que passa pela avenida, no entanto, em meio a alguma nova construção, sente que muita coisa está igual.

O cenário acumula as vivências de agora e de outrora, de jovens e velhos, integrando gerações.

A Nove de Julho nunca perdeu a cara daqueles dias. A única coisa é que, já sem os seus tios por aqui, não pode mais ficar indo para a casa deles.

Adulto, enquanto dirige seu próprio carro, para outros destinos, uma sensação permanece a mesma. A do aconchego familiar. A familiaridade com aquele cenário.

Quando criança, a gente já intui muita coisa. E ele sabia que aquele momento de carinho e confiança, ao lado dos tios, era especial.

E que, por isso, os prédios, as nuances, os postes de iluminação, os viadutos também eram.

Por isso segurou a maçaneta com tanta firmeza.

Não queria que a porta se abrisse. Não queria que aquele momento caísse no esquecimento, diluindo-se, como bitucas de cigarro, na sarjeta da Nove de Julho. Queria que aquele palco tão especial, um dia, o ajudasse a contar essa história.

SP Voar mostra ruas que são sinônimos de lazer em São Paulo

Últimas