Rio de Janeiro Após ficar foragido, DJ Rennan da Penha se entrega à polícia no Rio

Após ficar foragido, DJ Rennan da Penha se entrega à polícia no Rio

 Idealizador do Baile da Gaiola, no Complexo da Penha, foi condenado a seis anos e oito meses de prisão por associação ao tráfico 

DJ Rennan da Penha Entrega

DJ foi condenado a seis anos e oito meses

DJ foi condenado a seis anos e oito meses

Reprodução Twitter

O DJ Rennan da Penha se entregou na 37ª DP (Ilha do Governador), zona norte do Rio de Janeiro, na tarde desta quarta-feira (24). Ele era considerado foragido desde o 2 de abril. 

Leia mais: Adolescente é baleada em megaoperação da Polícia Civil no RJ

Idealizador do Baile da Gaiola, no Complexo da Penha, também na zona norte, Rennan foi condenado no dia 18 de março, em segunda instância, a seis anos e oito meses de prisão por associação ao tráfico. O mandado de prisão foi expedido pelo TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro).

Em imagens utilizadas para elaborar a denúncia, DJ Rennan da Penha aparece próximo a traficantes.

De acordo com o delegado William Pena, responsável pelo caso, o trabalho da polícia civil contou com a ajuda da Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária). Ele disse que houve o convencimento dos advogados de Rennan para que ele se entregasse.

"Houve um trabalho de inteligência junto com a SEAP. Nossas agências de inteligência conversaram e conseguimos, através dos advogados de defesa, convencer que ele (Rennan) se apresentasse a essas equipes. A condição era que ele se apresentasse a essas equipes de confiança da família do advogado. Ele se entregou em determinado local, que não podemos divulgar por questões de sigilo, e está  na delegacia. Estamos preparando os procedimentos dele de cumprimento de mandado de prisão, e ele vai seguir para o IML (Instituto Médico Legal)", explicou Pena.

Entenda o caso

A investigação do caso ocorreu por conta de depoimentos de duas testemunhas. Elas afirmaram que o DJ atuava na comunidade como olheiro do tráfico.

De acordo com as testemunhas, Rennan alertava aos traficantes, por WhatsApp, sobre quando o caveirão estava para subir o morro. 

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira