Rio de Janeiro Após protestos por morte na CDD, PM ameaça: “Vão se machucar”

Após protestos por morte na CDD, PM ameaça: “Vão se machucar”

Moradores protestaram na linha Amarela contra a morte do marmorista Marcelo Guimarães em tiroteio na Cidade de Deus 

Após o protesto contra a morte do marmorista Marcelo Guimarães que fechou a linha Amarela por 20 minutos na segunda-feira (4), um policial militar fez uma postagem em que criticou e ameaçou os manifestantes.

PM diz que vai apurar o caso

PM diz que vai apurar o caso

Reprodução/Redes Sociais

Na publicação, o agente afirmou que o responsável pela morte do homem é um traficante conhecido como Tijolinho e não a polícia, como acusa algumas pessoas.

'Onda de lixo' invade praia na zona sul do Rio de Janeiro

“Já estou com dois caveirões e trinta e oito policiais na base. Se sair pra fazer gracinha, vão se machucar”, escreveu o PM.

A manifestação também repercutiu na internet e a tag #JustiçaporMarcelo ficou entre os assuntos mais comentados. A filha de Marcelo se pronunciou sobre o caso nas redes sociais.

"Tão novo, 38 anos, cheio de vida, coração bom!!! Minha mãe, meu irmão (que tem apenas 5 anos), família, amigos e eu não estamos aguentando com tanta dor", escreveu.

Marcelo foi morto após uma suposta troca de tiros

Marcelo foi morto após uma suposta troca de tiros

Reprodução

Os parentes contaram que Marcelo trabalhava em uma marmoraria na região. Após sair de casa, ele retornou porque havia esquecido o celular. A vítima foi atingida por um tiro, por volta de 8h30, em um suposto confronto.

Segundo a Polícia Militar, a troca de tiros teve início depois que policiais do 18º BPM (Jacarepaguá) foram atacados durante um patrulhamento na avenida Edgard Werneck. No entanto, testemunhas afirmam que o tiro partiu da polícia.

Em nota, a corporação disse que instaurou um inquérito para apurar a conduta do policial e que ele será ouvido.

Além disso, o blindado da PM que estava na Cidade de Deus no momento em que o marmorista foi atingido passou por perícia na Delegacia de Homicídios, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Dois fuzis usados pelos policiais também foram entregues.

O enterro de Marcelo vai ocorrer nesta terça-feira (5), às 15h, no cemitério de Inhaúma. Uma nova manifestação está prevista para às 17h, no viaduto da linha Amarela, onde o marmorista foi morto. 

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas