Caso Lorrana: carro de cachorro-quente da tia é levado pela polícia

Adolescente de 14 anos morreu após dizer ter comido doce entregue por desconhecida em trem no Rio; ela também teria comido cachorro quente

Jovem de 14 anos morreu com sinais de envenenamento

Jovem de 14 anos morreu com sinais de envenenamento

Reprodução

A polícia levou nesta quinta-feira (24) o carro de cachorro-quente da tia de Lorrana Madalena da Luz Manoel para auxiliar nas investigações sobre a morte da menina

Leia mais: Alerj aprova projeto que anistia policiais e bombeiros de indisciplina

A adolescente de 14 anos morreu na última quarta-feira (23) com sinais de envenenamento, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Segundo a família da jovem, ela teria aceitado um pirulito de uma mulher desconhecida em um trem do ramal Gramacho, próximo ao bairro de Bonsucesso, na zona norte do Rio de Janeiro. 

Após chegar em casa, Lorrana teria dito que não estava se sentindo bem, mas a mãe pensou que os sintomas da filha deviam ser devido ao período mestrual. À noite, a menina comeu um cachorro-quente na barraca da tia e, em seguida, dormiu.

O pai de Lorrana, Luciano da Silva Manoel, contou que a filha vomitou e se queixou de não enxergar e não sentir as pernas durante a madrugada. A menina foi levada pela família à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Iris, em São João de Meriti, mas não resistiu e morreu.

Os parentes afirmaram que médicos da unidade de saúde suspeitam que Lorrana tenha sido envenenada. Porém, apenas um exame toxicológico realizado pelo IML (Instituto Médico Legal) de Duque de Caxias pode apontar qual a razão para a morte do jovem.

O velório de Lorrana Madalena da Luz Manoel vai ocorrer nesta sexta-feira (25) às 11h e o sepultamento está marcado para às 14h no cemitério Nossa Senhora das Graças, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.