Rio de Janeiro Cinco militares do Exército são condenados por desvio de R$ 11 mi

Cinco militares do Exército são condenados por desvio de R$ 11 mi

Dois empresários também foram condenados no mesmo processo; todos os condenados pelo desvio de R$ 11 milhões poderão responder em liberdade

Dois empresários também foram condenados

Dois empresários também foram condenados

Reprodução/ Facebook

Cinco militares do Exército foram condenados nesta segunda-feira (22), em primeira instância, a penas que variam de 5 a 16 anos de reclusão. De acordo com denúncia do Ministério Público Militar (MPM), eles desviaram R$ 11 milhões de obras do Instituto Militar de Engenharia (IME), localizado na Urca, no Rio de Janeiro. Dois empresários também foram condenados no mesmo processo.

Morador morre após ser baleado durante confronto no Vidigal (RJ)

A sentença é assinada pelo juiz federal da Justiça Militar da União, Sidnei Carlos Moura. As investigações do MPM apontaram fraudes em um convênio firmado entre o IME e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Nos anos de 2004 e 2005, os militares atuaram administrativamente para desviar os recursos em um esquema que envolveu ainda empresas de fachada.

Homem morre após carro cair em canal no centro do Rio

"Verificou-se que foram produzidos ilicitamente 88 processos licitatórios direcionados a determinado grupo de empresas, através de pagamentos antecipados, indevidos e sem a correspondente comprovação da execução dos serviços contratados, objetivando-se o efetivo desvio de recursos públicos", esclarece a sentença.

Condenações

Um coronel e um capitão foram condenados a 16 anos de reclusão. Já outro dois coronéis e um capitão foram sentenciados respectivamente a 11, 8 e 5 anos de reclusão. Também foi imposta pena de 10 anos a dois empresários. Todos eles poderão recorrer em liberdade.

Na ação, movida em 2010, o MPM denunciava ainda outras oito pessoas. Duas delas morreram durante a tramitação do processo e uma teve seu nome excluído após obter um habeas corpus do Superior Tribunal Militar (STM). As outras cinco foram absolvidas.

Últimas