Ex-atleta de remo do Flamengo é indiciado por tentativa de homicídio

Suspeito e irmão se envolveram em confusão que terminou em tiroteio na porta de uma boate na Ilha do Governador, zona norte do Rio, em março

Ex-atleta de remo do Flamengo é preso por tentativa de homicídio

Uma vítima, de 30 anos, foi atingida no pescoço

Uma vítima, de 30 anos, foi atingida no pescoço

Reprodução/ Record TV Rio

Um militar e ex-atleta de remo do Flamengo foi indiciado, nesta sexta-feira (22), por tentativa de homicídio após ter se envolvido em uma confusão que terminou em tiroteio na porta de uma boate na Ilha do Governador, zona norte do Rio.

O suspeito está preso temporariamente desde o dia 29 de abril, segundo a Marinha. Já o irmão dele segue foragido da Justiça. 

Veja também: Cinco suspeitos são identificados em caso de racismo contra aluna no Rio

Em entrevista à Record TV Rio, o delegado titular da 37ªDP (Ilha do Governador), Marcus Henrique Alves, afirmou que os irmãos estavam no interior da boate, quando houve um desentendimento com um grupo. Após a briga, eles foram expulsos do local.

Inconformados, os irmãos retornaram com as roupas trocadas para tentar entrar novamente. Ao serem impedidos pela segurança, os suspeitos pegaram uma motocicleta e efetuaram diversos disparos de armas de fogo contra o estabelecimento.

Uma vítima de 30 anos, que não estava na confusão, foi baleada no pescoço, mas sobreviveu.

"Temos imagens que nos mostram que eles praticaram esse crime e testemunhas que estavam no local. Eles estão com prisão temporária decretada. Nós concluímos o inquérito policial e pedimos a prisão preventiva de ambos", contou o delegado.

Dias depois da confusão, o Flamengo não renovou o contrato com o atleta. Procurada, a assessoria não entrou em detalhes sobre a decisão. No entanto, o clube disse não ter recebido informações oficiais sobre a investigação do caso. 

*Sob supervisão de Bruna Oliveira